CORREÇÃO-Paraguai amplia medidas para economia de eletricidade

(Corrige último parágrafo de matéria do dia 6 de quilowatt para quilovolt) ASSUNÇÃO (Reuters) - O governo paraguaio regulamentará o uso da energia elétrica nas instituições públicas mediante um decreto que amplia uma série de medidas adotadas em meio à crise elétrica dos últimos meses, disse nesta terça-feira a vice-ministra de Minas e Energia, Mercedes Canese.

Reuters |

Ela afirmou que as medidas serão permanentes e permitirão uma grande economia de energia, para que se evitem os recentes apagões que afetaram bairros inteiros, prejudicando também o abastecimento de água.

"Já está sendo implementado, mas a ideia é que seja algo permanente (...). O decreto estabelecerá mecanismos para controlar e monitorar (o consumo), e medidas que nos possam ajudar a economizar", disse Canese a jornalistas.

O Paraguai é sócio do Brasil na hidrelétrica de Itaipu, e da Argentina na usina de Yaciretá, o que não impediu que ocorressem frequentes cortes no abastecimento elétrico durante os meses de fevereiro e março, quando o forte calor levou o consumo interno a níveis recordes.

Em fevereiro, a empresa estatal de eletricidade declarou situação de emergência, para poder acelerar a renovação das suas redes de transmissão e adotar medidas paliativas durante as obras de modernização do sistema, o que levará pelo menos três anos.

Entre as medidas tomadas, e que agora serão ampliadas para o ano inteiro, está a redução do consumo a um mínimo fora do horário de expediente, a adoção de lâmpadas de baixo consumo e um limite para o uso de luzes ornamentais em edifícios emblemáticos, como o palácio do governo.

"Temos energia abundante, mas infelizmente não temos a infraestrutura para fazer chegar essa energia à população (...). Critérios de uso inteligente são parte do processo que nos vai levar a que não tenhamos mais esse problema", acrescentou a vice-ministra.

De acordo com ela, prosseguem os estudos para o início da instalação de uma rede de transmissão de 500 quilovolts a partir de Itaipu, que será financiada pelo Brasil.

(Reportagem de Mariel Cristaldo)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG