Correa se une a apelos de Chávez para que Farc deixem as armas

Quito - O presidente do Equador, Rafael Correa, se uniu hoje aos apelos do governante da Venezuela, Hugo Chávez, para que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) deixem as armas, e pediu o início de um diálogo para conseguir a paz na Colômbia.

EFE |

"Fiz o mesmo pedido (feito por Chávez). Qual é o futuro de uma guerrilha que combate um Governo democrático?", perguntou Correa.

"Já basta. Deixem as armas, vamos ao diálogo político diplomático para conseguir a paz", disse o líder.

O presidente equatoriano reiterou que não classificará as Farc como "terroristas", pois isso seria "envolver-se em um conflito alheio".

Sobre a libertação dos reféns pelas Farc, Correa reiterou que tem "o direito e o dever" de intervir em questões humanitárias, pois esta é uma situação que "já afeta os demais países da região".

Nesse sentido, afirmou ter ordenado ao ministro de Segurança Interna e Externa do Equador, Gustavo Larrea, que realize os procedimentos necessários para conseguir a libertação dos seqüestrados pelas Farc.

Em relação ao restabelecimento das relações entre Equador e Colômbia, assinalou que "o país não tem nenhum afã de retomar as relações diplomáticas".

"Somos os agredidos", afirmou.

Embora tenha descartado o "interesse pelo dinheiro", Correa disse que a Colômbia deve "indenizar as vítimas e o país" pela incursão militar contra um acampamento das Farc instalado em seu território, na qual morreram pelo menos 26 pessoas, dentre as quais o "número dois" da guerrilha, conhecido como "Raúl Reyes".

Leia mais sobre: Farc

    Leia tudo sobre: farc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG