Correa diz que Equador não se envolverá em conflito colombiano

Quito, 18 jun (EFE).- O presidente do Equador, Rafael Correa, voltou a afirmar hoje que seu país não se envolverá no conflito colombiano, e ressaltou que também não permitirá que seu território receba forças militares estrangeiras regulares ou irregulares.

EFE |

A posição do Governo equatoriano "é de não permitir que solo o equatoriano seja pisado por nenhuma força estrangeira regular ou irregular. Nossa decisão foi de não nos envolvermos em um conflito que não seja nosso, solidarizar-nos com a Colômbia e buscar uma saída pacífica e diplomática", disse Correa.

Com essas declarações, Correa respondeu às perguntas da rádio local "Sonorama" sobre uma suposta reunião liderada pelo chefe do Exército peruano, Edwin Donaire, e representantes do Exército do Equador, que supostamente teriam coordenado ações conjuntas para combater as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Correa disse desconhecer a reunião e se comprometeu averiguar o assunto.

Na segunda-feira passada, as Forças Armadas equatorianas especificaram que não têm planos sobre "uma possível coordenação" com os Exércitos de Colômbia e Peru para lutar contra as Farc.

Um comunicado oficial divulgado pelo Ministério da Defesa do Equador afirma que os equatorianos "não mantêm nenhum plano para executar operações coordenadas, combinadas ou conjuntas na luta contra as Farc".

A nota afirma também que os militares equatorianos "realizam permanentes operações que permitem desmantelar instalações utilizadas pelo narcotráfico ou por agrupamentos irregulares".

Em 1º de março, a Colômbia realizou uma operação militar contra um acampamento das Farc no Equador, deixando 26 mortos, entre eles o então número dois do grupo guerrilheiro "Raúl Reyes". O incidente gerou uma crise diplomática entre os dois países.

No início de junho, com a mediação da Organização dos Estados Americanos (OEA), Quito e Bogotá manifestaram sua intenção de retomar as relações em nível de encarregados de negócios, sem imporem pré-condições. EFE sm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG