Quito, 27 out (EFE).- O presidente do Equador, Rafael Correa, assegurou hoje que não tem interesse em retomar as relações diplomáticas com a Colômbia pois, para ele, Bogotá não buscou melhorar a situação.

"O Governo colombiano não perdeu a chance de manifestar sua má vontade e seu cinismo. Nessas condições, não temos o menor interesse em retomar relações diplomáticas", disse Correa em um ato militar.

Para ele, "apesar disso", seu país "manteve" a "política de abertura humanitária e apoio aos refugiados do conflito que atinge há décadas o país irmão, por cujo povo" disse ter "sinceros carinho e simpatia".

Correa reiterou que se continuar a falta de controle e o aumento de seqüestros por parte de grupos colombianas de cidadãos equatorianos, deverá restringir a entrada de colombianos.

"Caso o Estado colombiano siga incapaz de exercer controle em seu território e se os grupos colombianos continuarem seqüestrando equatorianos para retê-los na Colômbia, com profunda dor nos veremos obrigados a restringir entrada e permanência de cidadãos colombianos em nosso país", disse.

Quito mantém cortadas as relações diplomáticas com a Colômbia desde 3 de março, dois dias após uma incursão militar colombiana em território equatoriano em operações contra um acampamento que as Farc tinham instalado no Equador.

Ao lembrar dessa situação, que Correa qualifica de "violação à soberania", reiterou que nunca mais se repetirá tal feito.

Correa disse também que seu país é "pacífico", mas não frágil, e ordenou aos militares que não permitam que se repita uma violação territorial.

"Nunca mais nos tomarão por surpresa, e todo ato de agressão terá a resposta mais firme e digna, em qualquer terreno", destacou. EFE sm/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.