Quito, 4 out (EFE) - O presidente do Equador, Rafael Correa, se mostrou hoje favorável à realização de eleições primárias em seu partido, Aliança País, para que se defina o candidato à Presidência no pleito geral previsto para o primeiro trimestre de 2009. Peço ao Aliança País para fazer as primárias e tomara que venha alguém mais capaz que eu e possa seguir com o trabalho. Acredite, não buscamos nada para nós, disse em seu programa semanal de rádio.

O governante se declarou satisfeito com a vitória, no último domingo, do "sim" no referendo sobre a nova Constituição, pilar fundamental de suas promessas na campanha eleitoral de 2006 e de seu Governo, que começou em janeiro de 2007.

"Posso ir embora amanhã, com a satisfação do dever cumprido: o país tem uma nova Constituição", disse, ao assegurar, no entanto, que ele estará a população pedir.

Correa, um economista de 45 anos, insistiu em que o triunfo de domingo foi "histórico e arrasador", e pediu unidade à população, inclusive aos que votaram "não", para avançar no desenvolvimento do país.

Ele se mostrou satisfeito com o que chamou de "transparência" nas votações, um termo que, segundo o presidente equatoriano, também foi usado pelos observadores internacionais para se referir ao referendo.

Correa lembrou que poucos processos eleitorais "foram tão observados" quanto o do último domingo, que foi vigiado por missões da União Européia (UE), da Organização dos Estados Americanos (OEA), do Centro Carter, de Bolívia, Venezuela e El Salvador, entre outros.

"Irrita-me, algumas vezes, isso dos observadores. É como se eles fossem os bons e nós, as crianças malcriadas que devem ser observadas", destacou.

Por isso, disse que "nas próximas eleições na União Européia, para o Parlamento Europeu, etc., também mandaremos nossos observadores para ver se os europeus as realizam bem". EFE sm/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.