Correa critica juízes que não aceitam mudanças impostas por Carta

Quito, 1 nov (EFE).- O presidente do Equador, Rafael Correa, criticou hoje a posição dos magistrados da antiga Corte Suprema de Justiça que se negam a integrar a Corte Nacional de Justiça (CNJ), formada conforme previsto na nova Carta Magna, aprovada em referendo.

EFE |

O presidente considerou um ato de "irresponsabilidade" com o país a decisão de 21 ex-magistrados da agora desaparecida Corte Suprema de Justiça de não aceitar sua designação como membros da CNJ.

Correa esclareceu que nunca esteve de acordo com a decisão da Assembléia Constituinte, agora dissolvida, de integrar imediatamente, mediante sorteio, a CNJ com 21 ex-magistrados da extinta Corte Suprema, mas ressaltou que isso não significa que aprove a atitude assumida pelos juízes em questão.

"No pessoal, acho que é uma ingenuidade política o que fez a Assembléia. O lógico era que a Corte continuasse com 31 membros até que se designasse juízes definitivos", assinalou o governante.

Há várias semanas, quando se anunciou aos juízes que os novos integrantes da CNJ sairiam de um sorteio dos que formavam a Corte Suprema de Justiça, os magistrados anteciparam que não se submeteriam a esse sistema e cumpriram sua ameaça ao se negar, nesta semana, a integrar a nova instituição.

Segundo Correa, os juízes que agora se negam a integrar a CNJ não podem atuar "com tamanha irresponsabilidade e deixar acéfala a Corte". EFE sm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG