Correa anuncia perdão a jornalistas condenados no Equador

Presidente promete desistir de processo contra jornalistas do El Universo condenados por danos morais

iG São Paulo |

O presidente do Equador, Rafael Correa, anunciou publicamente nesta segunda-feira que perdoará os quatro condenados no caso que ganhou contra o jornal El Universo, embora tenha ressaltado que as penas foram ditadas "merecidamente".

EFE
Discurso do presidente equatoriano, Rafael Correa, no qual criticou a imprensa
Em seu discurso, Correa se pronunciou contra a "ditadura" de certos meios de comunicação e afirmou que também desistirá do processo contra os jornalistas Juan Carlos Calderón e Christian Zurita, autores de um livro sobre os contratos que o irmão mais velho do presidente, Fabricio Correa, supostamente mantinha com o Estado.

Equador: Supremo mantém condenação de jornalistas

"A imprensa abusiva foi vencida. Essa imprensa, que perante a derrota contundente da direita e dos grupos conservadores, transformou-se em um ator político beligerante contra os governos progressistas e que arremete de forma ilegítima, desonesta e prepotente contra as conquistas democráticas de nossos povos", declarou.

O governante disse ter esperança de que os "injuriadores deixem de mostrar-se como vítimas (...), que de agora em diante assumam um compromisso com a verdade e a ética profissional".

Correa reiterou que, com o caso do El Universo, comprovou-se que o jornal mentiu, que há responsabilidade ulterior e que a cidadania pode defender seus direitos.

Processo

O caso remonta a fevereiro do ano passado, quando o editor de opinião do El Universo, Emilio Palacio, publicou uma coluna na qual afirmava que Correa poderia ser processado por "ter ordenado que abrissem fogo e sem prévio aviso em um hospital cheio de civis" no dia 30 de setembro 2010, durante uma sublevação policial.

Disputa: Justiça do Equador condena jornalistas por danos morais a Correa

Dois tribunais condenaram Palacio e três diretores do jornal, os irmãos César, Carlos e Nicolás Pérez por injúria a três anos de prisão e ao pagamento de US$ 10 milhões cada um, assim como outros US$ 10 milhões por parte do El Universo.

No último dia 16 de fevereiro, a Corte Nacional de Justiça rejeitou o recurso de cassação do jornal. Três dias depois, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) solicitou ao Equador suspender a condenação e aplicar medidas cautelares ou de proteção aos acusados, o que o governo não aceitou porque a sentença não estava fixada definitivamente e também não havia sido ordenada a detenção dos acusados.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: equadorcorreaimprensajornaisel universo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG