Corpos que podem ser de avião da Yemenia Airway são levados para hospitais

Dar es Salam (Tanzânia), 9 jul (EFE).- Os 14 corpos encontrados esta semana perto da ilha tanzaniana de Máfia e que se acredita serem de passageiros do avião da Yemenia Airway, que caiu no dia 30 de junho próximo às Ilhas Comores, foram transferidos hoje para Dar es Salam para identificação.

EFE |

Os cadáveres começaram a aparecer na segunda-feira passada, nos arredores de Máfia - situada a 120 quilômetros ao sul de Zanzibar e cerca de 500 quilômetros a leste de Comores - e foram retirados do mar por submarinos militares tanzanianos e franceses, que continuam as buscas por outros corpos.

O porta-voz da Polícia tanzaniana Abdullah Msika disse a jornalistas em Dar es Salam, que dois helicópteros militares tanzanianos e um francês foram utilizados para transferir os corpos até a cidade e que foram levados posteriormente para hospitais das cidades de Muhimbili, Lugalo, Temeke e Ukonga.

"Acreditamos que mais corpos poderão ser recuperados (nos arredores de Máfia) já que os ventos continuam fortes e sopram em direção à Tanzânia", acrescentou Msika.

As equipes de resgate no lugar do acidente acreditam, por sua parte, que a maioria dos corpos permanecem próximos aos restos do avião, um Airbus 310.

O vice-presidente comorense, Idi Nadhoim, se encontra em Dar es Salam e esteve hoje com os familiares das vítimas do avião, que esperavam a chegada dos corpos no aeroporto internacional Julius Nyerere, da cidade.

O Airbus da Yemenia Airway, procedente inicialmente de Paris, voava com 153 passageiros de Sana, no Iêmen, para Moroni, capital das ilhas Comores.

Uma menina de 12 anos, Bahia Bakari, foi a única sobrevivente do acidente, cujas causas ainda não foram esclarecidas, embora tudo indique que o mau tempo registrado na regição no momento da queda tenha sido o motivo principal.

A França já advertiu a Yemenia Airway que a incluirá na lista de companhias aéreas que não podem operar na União Europeia (UE), por falhas na segurança, se não fizer "grandes esforços" para melhorar.

EFE fm/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG