Corpos e destroços de Airbus iemenita são achados na Tanzânia

Por George Obulutsa MAFIA, Tanzânia (Reuters) - A polícia tanzaniana recuperou destroços da aeronave Airbus do Iêmen que caiu perto do arquipélago de Comores, no oceano Índico, na semana passada, informou uma testemunha à Reuters nesta quarta-feira.

Reuters |

O representante do distrito de Mafia, Manzie Mangochei, disse que cerca de 13 corpos foram vistos no início desta semana. As autoridades recuperaram oito até agora.

Um pequeno objeto de metal com as palavras "Deutsche Airbus GmBH" (Airbus Alemão GmBH) estava cravado nos escombros brancos encontrados na remota ilha de Mafia, a leste do país africano Tanzânia, a cerca de 500 quilômetros do local do acidente.

A Tanzânia disse na terça-feira que corpos que pareciam ser da queda do Airbus 310-300 iemenita tinham sido avistados flutuando perto da ilha de Mafia, ao lado de destroços do avião.

Apenas um sobrevivente entre as 153 pessoas a bordo -- uma menina franco-comorense -- foi encontrado. Bahia Bakari, que mal sabe nadar, se agarrou a um escombro flutuante por mais de 12 horas antes das equipes de resgate terem avistado seu esforço no mar agitado.

A procura por outros sobreviventes foi encerrada esta semana. Equipes de resgate no arquipélago de Comores detectaram um sinal da caixa-preta do avião, mas disseram que pode levar um tempo para alcançar o objeto que deve estar na profundidade do oceano.

Tentativas de recuperar os corpos do oceano próximo à ilha de Mafia foram impedidas pela agitação do oceano.

"Estamos trabalhando sob condições muito difíceis", disse o representante distrital Mangochei à Reuters, acrescentando que as ondas altas tornavam a situação quase inacessível.

A companhia aérea informou que havia 75 passageiros comorenses a bordo, junto de 65 cidadãos franceses, 1 palestino e 1 canadense. A tripulação era formada por 6 iemenitas, 2 marroquinos, 1 indonésio, 1 egípcio e 1 filipino.

Equipes de resgate em Comores suspeitam que muito corpos continuam presos dentro do avião e disseram que as buscas tem como foco as partes do avião, que acreditam estar no oceano a 500 metros de profundidade.

(Reportagem adicional de Tim Hepher em Paris)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG