Corpos de militares mortos do Haiti chegam a Manaus

O Centro de Comunicação Social do Exército informou nesta quarta-feira, em nota à imprensa, que os corpos de 17 militares do Exército que morreram no Haiti já estão em Manaus. Segundo o comunicado, há necessidade de uma complementação dos trabalhos de medicina legal, referentes à conservação dos corpos, em razão das dificuldades de infraestrutura no país caribenho, e, por isso, a aeronave C-130 (Hércules), da Força Aérea Brasileira (FAB), fez o pouso na capital amazonense.

iG São Paulo |

  • Veja imagens da tragédia no Haiti
  • Onda de saques afeta Porto Príncipe; assista
  • Direto do Haiti: Incêndio denuncia clima hostil em bairro haitiano
  • Saiba quem são os brasileiros mortos no Haiti
  • Veja as principais notícias sobre o terremoto no Haiti

    Reuters
    Brasileiros mortos no Haiti

    Brasileiros mortos no Haiti recebem homenagem

    O Exército informa ainda que a cerimônia de homenagens póstumas aos militares, que integravam a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah) e morreram no cumprimento da missão, vai ser realizada na Base Aérea de Brasília no final da tarde de quinta-feira, em horário ainda a ser divulgado.

    Os militares foram vítimas do terremoto de 7,0 graus na Escala Richter que atingiu o país caribenho na terça-feira da semana passada.

    21 brasileiros mortos

    Nesta quarta-feira, o Centro de Comunicação do Exército confirmou a morte do major Márcio Guimarães Martins, elevando o número total de militares mortos no Haiti para 18. No entanto, o corpo dele foi encontrado nesta madrugada e ainda está no país caribenho. Não há previsão para a chegada do corpo.

    Martins servia na Brigada de Infantaria Paraquedista e estava desempenhando a função de Oficial de Estado-Maior do Batalhão de Infantaria de Força de Paz do Haiti no 12º Contingente Brasileiro da Missão.

    A Minustah atua no Haiti desde 2004, e conta com 6,7 mil militares, 1,6 mil policiais, 548 civis estrangeiros, além de 154 voluntários. Dentre os militares da missão das Nações Unidas, 1.266 são brasileiros

    Com isso, o número de brasileiros mortos subiu para 21 . Além dos militares, morreram no terremoto do Haiti a médica sanitarista Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança; o diplomata Luiz Carlos da Costa, o segundo na linha de comando da ONU no Haiti; e um civil, ainda não identificado. ( Conheça a história dos brasileiros mortos no Haiti )

    (*com informações da Agência Estado)

  • Leia também:

    Leia mais sobre terremoto

    • Leia tudo sobre: haiti

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG