Corpo identificado em chacina no México é de mineiro de 20 anos

Passaporte de outro jovem de Minas Gerais foi encontrado no local da chacina. Seu corpo ainda não foi identificado

iG São Paulo |

O Ministério das Relações Exteriores informou na noite deste sábado que as autoridades mexicanas divulgaram que foi identificado o corpo do brasileiro Juliard Aires Fernandes, de 20 anos, natural de Minas Gerais, entre as vítimas da chacina dos 72 imigrantes latino-americanos no estado de Tamaulipas, nordeste do país. Segundo o ministério, também foram encontrados os documentos de Hermínio Cardoso dos Santos, de 24 anos, também natural de Minas Gerais, mas seu corpo ainda não foi identificado. O Itamaraty já fez contato com as famílias dos dois jovens.

Até este sábado, 41 corpos foram submetidos à autopsia, dos quais, apenas 31 puderam ser identificados. De acordo com a Procuradoria Geral de Justiça do México, até o momento, além de um brasileiro, foram identificados 14 hondurenhos, 12 salvadorenhos e quatro guatemaltecos.

Olhos vendados

As fotografias do local da chacina, uma fazenda na cidade de Reynosa, mostram que as vítimas tiveram olhos vendados, bocas e mãos atadas. Os imigrantes foram colocados em fila, contra a parede de um galpão, onde foram mortos a tiros na terça-feira.

As autoridades mexicanas não souberam precisar quanto tempo ainda pode levar os trabalhos de identificação das vítimas que foram levadas para o instituto médico legal da cidade de Reynosa, próxima à fronteira com os Estados Unidos e da fazenda onde o grupo de narcotraficantes Los Zetas teriam sequestrado e em seguida assassinado os imigrantes.

O único sobrevivente da chacina, um jovem equatoriano, foi ferido com um tiro na garganta e ainda está hospitalizado. O governo mexicano concedeu na sexta-feira um visto humanitário ao imigrante, que viajava ilegalmente pelo país na tentativa de cruzar a fronteira do México com os Estados Unidos.

Esta medida foi anunciada em meio à críticas do governo do Equador, que se mostrou preocupado com a segurança do imigrante pelo fato de as autoridades mexicanas terem divulgado à imprensa fotografias e o nome do equatoriano, a única testemunha da chacina.

Promotor

O promotor do Ministério Público do México encarregado de investigar o massacre continua desaparecido. A imprensa local disse que Roberto Javier Suárez Vázquez teria sofrido uma emboscada e foi assassinado pelos mesmos autores do massacre. O presidente do México, Felipe Calderón negou a versão de assassinato e disse que Vázquez está "desaparecido".

O delegado regional do estado de Tamaulipas, que também acompanhava as investigações, também continua desaparecido.

Na sexta-feira, pelo menos uma explosão, aparentemente de um carro-bomba, ocorreu sem deixar vítimas na capital de Tamaulipas, Ciudad Victoria, perto da sede do canal de TV Televisa na cidade.

Nenhum grupo assumiu autoria pelo atentado, mas analistas acreditam que ele seja parte de uma campanha de intimidação movida pelos traficantes contra a imprensa.

O sequestro de imigrantes que cruzam o México rumo aos Estados Unidos se tornou uma prática comum entre os cartéis do narcotráfico que controlam a zona fronteiriça do país.

De acordo com um relatório da Comissão Nacional de Direitos Humanos do México (CNDH), em seis meses cerca de 10 mil pessoas foram sequestradas, o equivalente a mais de 1,6 mil vítimas por mês.

AP
Usando roupa de proteção, funcionário da perícia caminha próximo ao local onde estão os corpos (26/08)

* com informações da BBC Brasil

    Leia tudo sobre: chacinaméxico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG