que morreu no terremoto no Haiti, foi aberto ao público por volta das 12h30 desta sexta-feira no Palácio das Araucárias, sede do governo do Paraná, em Curitiba. " / que morreu no terremoto no Haiti, foi aberto ao público por volta das 12h30 desta sexta-feira no Palácio das Araucárias, sede do governo do Paraná, em Curitiba. " /

Corpo de Zilda Arns é velado em Curitiba

O velório do corpo de Zilda Arns Neumann, médica pediatra e fundadora da Pastoral da Criança, http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2010/01/13/zilda+arns+morre+em+terremoto+no+haiti+9274211.htmlque morreu no terremoto no Haiti, foi aberto ao público por volta das 12h30 desta sexta-feira no Palácio das Araucárias, sede do governo do Paraná, em Curitiba.

iG São Paulo |

Reuters
Caixão com o corpo de Zilda Arns sendo velado no Palácio das Araucárias
O caixão fechado, envolto pela Bandeira Nacional, foi carregado por cadetes da Polícia Militar, da Academia do Guatupê, e recebido com aplausos por populares e voluntários da Pastoral da Criança.

Entre as autoridades presentes no velório estão o presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), o deputado federal José Aníbal (PSDB-SP), o governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), o senador Flávio Arns (PSDB-PR), sobrinho de Zilda, e o chefe do Gabinete Pessoal da Presidência da República, Gilberto Carvalho, além de familiares, amigos e integrantes da Pastoral da Criança.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva embarca no início da tarde em São Luís (MA), com destino a Curitiba (PR), e comparecerá ao velório, confirmou a assessoria de imprensa da Presidência da República.

Pouco antes do início do velório, o arcebispo de Curitiba, Dom Pedro Fedalto, conduziu uma cerimônia de cerca de 15 minutos para os familiares de Zilda Arns.

O velório ficará aberto ao público até a tarde deste sábado, quando será celebrada uma missa aberta ao público. Também veio no avião a freira brasileira Rosângela Altoé, de 55 anos, da Congregação Imaculada Conceição, que estava na mesma igreja em que o teto desabou e onde Zilda morreu.

Divulgação
Caixão com corpo de Zilda Arns chega ao velório
Rosângela estava a três metros da fundadora da Pastoral da Criança e sobreviveu sem nenhum ferimento. O irmão de Zilda, o arcebispo emérito de São Paulo, d. Paulo Evaristo Arns, não deve viajar à capital paranaense. A missa de amanhã será realizada pelo cardeal primaz do Brasil, Geraldo Majella Agnelo.

O avião com o corpo da médica chegou ao Brasil, vindo do Haiti, por volta das 3h30 da madrugada desta sexta-feira. No mesmo avião retornaram ao Brasil o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e o sobrinho da médica, senador Flávio Arns, entre outras autoridades brasileiras.

Coroas por doações

A orientação da pastoral é de que não sejam enviadas coroas de flores para o velório. Atendendo a um pedido da própria Zilda, essa homenagem deve ser trocada por doações para a continuidade dos trabalhos da Pastoral da Criança.

Reuters
Zilda Arns, em foto de arquivo em 2004
O coordenador nacional adjunto da Pastoral da Criança, Nelson Arns, filho de Zilda, disse que várias autoridades do Brasil e de outros países estão entrando em contato para confirmar presença no enterro, que será realizado no Cemitério Água Verde, em Curitiba.

Todas as informações sobre a cerimônia e dados detalhados da pastoral, viagens, biografia, mensagens de condolências estão sendo postados no site da pastoral.

A Pastoral da Criança divulgou, em nota, as circunstâncias em que ocorreu a morte de Zilda Arns. Segundo relatou o senador Flávio Arns,  que viajou ao Haiti para cuidar do transporte do corpo para o Brasil, ela estava em uma igreja, onde havia acabado de proferir palestra para cerca de 150 pessoas e conversava com um sacerdote, que queria mais informações sobre o trabalho da Pastoral da Criança.

De repente, começou o tremor. O padre que estava conversando com ela, deu um passo para o lado e a dra. Zilda recuou um passo e foi atingida diretamente na cabeça, quando o teto desabou. Ela morreu na hora, diz a nota.

Em sua agenda, além do Haiti, já estavam previstas viagens para o Uruguai e Colômbia no mês de fevereiro, México e  Paraguai em março, no mês de maio ela viajaria em missão na Argentina, em junho para a Republica Dominicana e em outubro para Angola e Guiné-Bissau.

A missão da sanitarista no Haiti iria até esta sexta-feira. Ela estava acompanhada de uma assessora, a irmã Rosângela Maria Altoé, que já entrou em contato com a família, mas não deu muitos detalhes sobre seu estado de saúde, informando apenas que estava bem.

*Com informações da Agência Brasil e Agência Estado

Veja também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: haititerremoto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG