Coréia do Sul anuncia pacote de US$ 11 bi para estimular economia

O governo da Coréia do Sul anunciou um pacote econômico de 14 trilhões de wons - equivalente a US$ 10,9 bilhões - para estimular a economia do país. O plano, anunciado pelo Ministério de Estratégia e Finanças, tem o objetivo de evitar uma recessão.

BBC Brasil |

A maior parte do montante (11 trilhões de wons) é destinada a projetos públicos, e o restante irá para cortes de impostos com o objetivo de impulsionar o consumo.

Dados recentes indicam que o crescimento da economia sul-coreana no terceiro trimestre foi o mais baixo em três anos à medida que a desaceleração global atingiu as exportações do país.

Em meio a temores de que uma crise como a que atingiu os países asiáticos em 1997-98 se repita, o governo sul-coreano vêm adotando medidas para aumentar a liquidez.

Na quinta-feira, a Coréia do Sul assinou um acordo para troca de moedas com o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) no valor de US$ 30 bilhões. E, recentemente, o país reduziu suas taxas de juros de 5% para 4,25%.

Mercados
O anúncio fez as ações subirem 1,4% em Seul nesta segunda-feira.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 3%.

As principais bolsas européias seguiram a tendência e também abriram em alta nesta segunda-feira.

O índice Dax, de Frankfurt, subiu 1,3%, enquanto o Cac, de Paris, subiu 0,4%, e o FTSE, de Londres, 0,8% na abertura dos negócios.

Analistas acreditam que as altas têm ocorrido depois que vários governos anunciaram medidas para tentar estimular a economia.

Na semana passada, o governo japonês anunciou um pacote de quase US$ 300 bilhões em cortes de impostos e ajuda a pequenas empresas.

Os bancos centrais dos Estados Unidos, Japão, China e Índia reduziram o custo de empréstimos na semana passada, e há a expectativa de que o Banco da Inglaterra (banco central britânico) e o Banco Central Europeu façam o mesmo nesta semana.

Mas muitos corretores permanecem cautelosos.

"Há ainda um ceticismo generalizado sobre as medidas tomadas para descongelar os mercados de crédito, já que levará ainda um tempo para que ocorra uma mudança em uma base sustentável", disse um corretor da India Infoline, depois da mudança nas taxas de juro da Índia.

O índice indiano Sensex subiu 4,6%.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG