SEUL (Reuters) - A Coréia do Norte concordou em demolir a torre de resfriamento de seu principal complexo atômico, logo depois de declarar a existência de seu programa nuclear, disse uma autoridade sul-coreana na quarta-feira. A torre no complexo nuclear de Yongbyon, a cerca de 100 quilômetros da capital, Pyongyang, foi foco da vigilância norte-americana nos últimos anos, devido à suspeita de que o Norte mantinha um reator de enriquecimento de plutônio ali.

'Vai constar no topo da declaração', disse Kim Sook, o enviado-chefe da Coréia do Sul para os encontros entre seis países que discutem o fim do programa nuclear norte-coreano, referindo-se à demolição da torre de resfriamento.

Kim falou depois de retornar de Washington, onde se encontrou com negociadores nucleares japoneses e norte-americanos.

Assim que a declaração for feita, os Estados Unidos devem tirar a Coréia do Norte de sua lista de Estados patrocinadores do terrorismo e suspender as sanções impostas pela lei intitulada 'Negociando com o Inimigo'.

As medidas fazem parte de um acordo maior que a Coréia do Norte fez com a do Sul, os Estados Unidos, o Japão, a Rússia e a China, segundo o qual se compromete a abandonar todos os programas nucleares em troca de incentivos econômicos e diplomáticos.

A torre de resfriamento faz parte de um reator atômico de cinco megawatts que produziu cerca de 50kg de plutônio.

Especialistas dizem que isso é o suficiente para cerca de oito bombas nucleares.

A Norte Coréia lançou seu artefato nuclear em outubro de 2006, em um teste considerado prova de que o país era tinha objetivos armamentistas, mas o sucesso do teste foi questionado pelo Sul.

(Reportagem de Jack Kim)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.