Coréia do Norte retoma trabalhos para reativar reator de Yongbyon

Seul, 19 set (EFE) - A Coréia do Norte afirmou hoje que iniciou os trabalhos para reativar sua principal instalação nuclear, o reator de Yongbyon, e que não deseja mais que os Estados Unidos retirem o país da lista de nações que patrocinam o terrorismo. Essa afirmação do Ministério de Assuntos Exteriores do regime comunista de Pyongyang, divulgada pela agência norte-coreana KCNA, confirmou as declarações feitas pouco antes por seu representante nas conversas de energia com a Coréia do Sul. O ministério afirmou que o regime comunista trabalha há muito tempo para devolver as instalações nucleares de Yongbyon a seu estado original em resposta à decisão dos EUA de paralisar a retirada do país da lista de patrocinadores do terrorismo. A Coréia do Norte agora não deseja ser retirada da lista de países patrocinadores do terrorismo nem espera que isso aconteça, disse o representante norte-coreano em um possível sinal de afastamento do processo negociador. A advertência se produz em plena interrupção brusca do processo de desnuclearização regido pelas conversas de seis lados (Coréia do Norte, Coréia do Sul, Japão, EUA, China e Rússia) e com um aparente vazio de poder no país asiático. O líder norte-coreano, Kim Jong-il, não é visto em público desde 14 de agosto, e no último dia 9 não foi ao desfile que comemorou os 60 anos da fundação do país. Isso gerou todo tipo de suposição sobre seu estado de saúde e sobre um suposto infarto cerebral que teria sof...

EFE |

No último dia 26, a Coréia do Norte anunciou a interrupção de seu processo de desnuclearização e começou a dar passos que pareciam levar a uma paralisação dos trabalhos de desativação de Yongbyon.

Acredita-se que, no início deste mês, o país tenha começado a movimentar equipamentos desativados anteriormente perto do complexo.

Hoje, a Coréia do Norte confirmou que "trabalha" na reativação do complexo, que pode produzir plutônio para construir armas nucleares.

A reconstrução de Yongbyon seria um grande contratempo para o processo de desnuclearização pactuado pelos países da conversa de seis lados, que aceleraram suas atividades após o teste nuclear de outubro de 2006.

Segundo a agência sul-coreana "Yonhap", o ministro de Assuntos Exteriores sul-coreano, Yu Myung-hwan, admitiu hoje que o compromisso da Coréia do Norte com a desnuclearização é, atualmente, incerto.

"Não está claro se o que a Coréia do Norte pretende está voltado ao retorno à situação que havia antes de começar o processo de desmantelamento (em novembro), ou se deseja um novo ato de barganha", disse o ministro.

A Coréia do Norte deu provas nas negociações nucleares de um comportamento imprevisível e volátil, o que, em algumas ocasiões, deixou os outros integrantes das conversas enfurecidos. EFE ce/fh/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG