Coreia do Norte nega que seu líder esteja doente

A Coreia do Norte negou que seu líder, Kim Jong-il, tivesse sofrido um colapso causado por problemas de saúde, como foi especulado em vários setores da imprensa internacional após o sua ausência em uma parada militar.

BBC Brasil |

Acordo Ortográfico "Para nós, essas notícias parecem fazer parte de uma conspiração, além de não terem valor algum", disse o embaixador norte-coreano no Japão, Song Il-ho, à agência de notícias japonesa Kyodo.

Antes, uma autoridade do governo da Coreia do Sul disse à agência de notícias Yonhap que o líder norte-coreano "quase certamente" teria problemas de saúde, mas não afirmou a seriedade de sua condição.

A ausência do líder nos eventos comemorativos dos 60 anos da fundação do país, celebrados na terça-feira, despertou especulações de que o Jong-il - visto em público pela última vez em 14 de agosto - teria sofrido um colapso.

Washington também havia comentado sobre a saúde de Kim Jong-il, sugerindo que ele teria sofrido um derrame.

Vácuo

Segundo o correspondente da BBC em Seul John Sudworth, a possível precariedade da saúde do líder norte-coreano levanta questões sobre sua sucessão no poder.

Isso seria especialmente preocupante pelo fato de a Coreia do Norte possuir tecnologia nuclear e de ter, no passado, ameaçado repetidas vezes destruir o seu vizinho ao sul.

"O destino do país está associado à autoridade de seu líder autocrático como nenhum outro, e não há nenhuma base de poder alternativa conhecida ou sucessor óbvio", afirma o correspondente.

De acordo com a agência Yonhap, o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, convocou uma reunião extraordinária com seus secretários na quarta-feira para discutir a saúde do líder norte-coreano.

"Lee discutiu possíveis medidas a serem adotadas caso a doença do líder norte-coreano seja realmente séria", disse a fonte oficial do gabinete presidencial citada pela agência.

"O presidente e seus acessores discutiram os sinais anormais vindos da Coreia do Norte, já que a situação no país parece ser séria depois da ausência de Kim Jong-il em um evento tão importante quanto a parada de comemoração da fundação do país", afirmou o oficial à Yonhap.

Programa nuclear

As especulações sobre a condição da saúde de Kim Jong-il ocorrem em meio a um impasse em relação ao desmantelamento do programa nuclear do país.

De acordo com a mídia sul-coreana, a grandiosidade do desfile de comemoração da fundação da Coreia do Norte, na terça-feira, tinha como objetivo "usar a imagem de um Exército forte para cimentar união dentro do país e assegurar uma posição melhor nas negociações para a desativação do programa nuclear".

Imagens divulgadas na segunda-feira pela televisão estatal norte-coreana KRT mostraram a cúpula do governo comemorando o aniversário do país a portas fechadas.

Em comunicado, as autoridades norte-coreanas disseram que "o poderoso Exército (do país) puniria invasores sem piedade".

Em junho, a Coreia do Norte submeteu, com grande atraso, um relatório em que revelou detalhes de suas instalações nucleares. O país esperava a remoção imediata de seu nome da lista americana de países que apóiam o terrorismo.

Entretanto, os Estados Unidos afirmaram que isso não será possível até que a Coreia do Norte concorde com inspeções para verificar a veracidade das informações reveladas pelo país.

No fim de agosto, em protesto, a Coreia do Norte anunciou a suspensão do desmantelamento das instalações do reator nuclear de Yongbyon.

Leia mais sobre Coreia do Norte

    Leia tudo sobre: coréia do norte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG