Coreia do Norte não notificou ONU sobre satélite

Por Louis Charbonneau NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - A Organização das Nações Unidas contradisse na quinta-feira os comentários feitos por um diplomata norte-coreano, dizendo que Pyongyang ainda não notificou o organismo internacional sobre o lançamento de um satélite em órbita como o exigido pelas normas da ONU.

Reuters |

O embaixador-adjunto norte-coreano na ONU Pak Tok Hun havia dito que acreditava que Pyongyang já havia registrado o que diz ser um satélite (lançado ao espaço no domingo) sob a convenção de 1976 da ONU sobre o registro de objetos lançados ao espaço, assinado pela Coréia do Norte.

A porta-voz da ONU Michele Montas, no entanto, disse a jornalistas que o escritório da organização para assuntos espaciais não recebeu nenhuma notificação sobre qualquer satélite norte-coreano.

"Até hoje, eles não receberam nenhuma informação proveniente da Coreia do Norte sob o Tratado Espacial nem sob a convenção de registro com relação ao lançamento", afirmou ela.

A Coreia do Norte assinou ambos os tratados em 10 de março. A convenção de registros solicita que a ONU receba detalhes do objeto lançado "o mais rápido possível".

Estados Unidos, Japão e Coréia do Sul dizem que a Coreia do Norte lançou um míssil balístico de longo alcance no domingo, e não um satélite, violando a resolução 1718 do Conselho de Segurança -- imposta em 2006 após um teste nuclear da Coreia do Norte - que proíbe o lançamento de mísseis desse tipo e outros testes nucleares por Pyongyang.

Os militares dos EUA afirmaram que nenhuma parte do foguete Taepodong-2 entrou em órbita, apesar da afirmação do governo norte-coreano de que ele levava um satélite que agora transmite dados e música revolucionária enquanto dá voltas ao redor da Terra. Alguns diplomatas disseram que a Coreia do Norte colocou um falso satélite no míssil.

"Acho que fizemos", disse Pak na terça-feira quando perguntado se o seu governo havia registrado o satélite.

"Nós já deixamos claro que lançamos aquilo e cumprimos as convenções internacionais apropriadas sobre aquilo", completou ele. "Fizemos tudo antes de fazer aquilo."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG