Coreia do Norte lança foguete ao espaço

A Coreia do Norte lançou um foguete neste domingo, de acordo com informações da imprensa estatal do país. Segundo as autoridades norte-coreanas, o foguete colocou um satélite em órbita, que está transmitindo dados e canções revolucionárias.

BBC Brasil |

  • Uma corrida militar que começou há 50 anos
  • Veja os fatos mais relevantes do conflito norte-coreano
  • Lançamento norte-coreano isola ainda mais esse país, diz Obama
  • Coreia do Norte qualifica como êxito lançamento
  • O governo japonês confirmou que Pyongyang lançou o foguete às 11h30 (23h30 de Brasília de sábado), segundo informou a agência local "Kyodo".

    A notícia foi confirmada minutos depois por um porta-voz do governo da Coreia do Sul à agência local de notícias "Yonhap".

    O Ministério da Defesa japonês anunciou que o foguete de longo alcance passou acima e deixou para trás o Japão sem que tenha sido necessário interceptá-lo, segundo a "Kyodo".

    As fontes governamentais acham que a primeira fase do foguete caiu no Mar do Japão (Mar do Leste), cerca de 280 quilômetros a oeste do litoral japonês, e se prevê que a segunda caia cerca de 1.280 quilômetros do litoral, do outro lado do país.

    A comunidade internacional criticou o plano norte-coreano de lançar o foguete. Autoridades dos Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul suspeitam que o lançamento do foguete seja, na verdade, um teste de mísseis de longo alcance.

    O presidente americano, Barack Obama, criticou os planos norte-coreanos neste domingo em discurso em Praga, na República Checa e pediu que o regime de Pyongyang "abandone ações de provocação".

    "A Coreia do Norte rompeu as regras mais uma vez ao testar um foguete que poderia ser usado como foguete de longo-alcance", disse Obama. "Esta provocação ressalta a necessidade de ação - não só nesta tarde no Conselho de Segurança da ONU, mas na nossa determinação de prevenir a disseminação destas armas."

    Projeto 'pacífico'

    O Japão disse que a ação norte-coreana era "extremamente lamentável", enquanto a Coreia do Sul acusou descumprimento de uma resolução das Nações Unidas.

    A resolução 1718, de outubro de 2006, proíbe a Coreia do Norte de fazer testes balísticos.

    A União Europeia e o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, disseram que a medida não favorece a estabilidade regional. A China e a Rússia apelaram para que a reação de todas as partes envolvidas seja cautelosa.

    O Conselho de Segurança da ONU aprovou um pedido japonês para realizar uma sessão de emergência na tarde deste domingo em Nova York.

    A Coreia do Norte anunciou há algumas semanas que pretendia enviar ao espaço um "satélite de comunicações experimental" a partir da base de Musudan-ri, no nordeste do país.

    O lançamento aconteceu pouco antes do meio-dia de domingo no horário local (meia-noite, no horário de Brasília).

    O foguete sobrevoou o Japão em direção ao pacífico. O Japão havia ameaçado interceptar o foguete, mas acabou não interferindo.

    A Coreia do Norte afirma que seu projeto é pacífico.

    "Nossos cientistas e engenheiros foram bem-sucedidos em colocar o satélite 'Kwangmyongsong-2' em órbita através do foguete 'Unha-2'", afirmou a agência estatal KCNA.

    A imprensa estatal afirmou que o satélite está transmitindo dados e as músicas "Canção para o General Kim Il-sung" e "Canção para o General Kim Jong-il" - em referência ao fundador da nação norte-coreana e seu filho, o atual líder.

    No domingo, uma fonte do governo sul-coreano disse à agência Yonhap que aparentemente o foguete estava transportando um satélite.

    Segundo o correspondente da BBC na Coréia do Sul John Sudworth, o lançamento será usado como um exemplo de sucesso pela propaganda norte-coreana.

    De acordo com Sudworth, a maior preocupação dos americanos é que o lançamento seja um teste para o míssil Taepodong-2. Uma tentativa de lançar o míssil em julho de 2006 fracassou.

    Se bem-sucedido agora, os Estados Unidos estariam ao alcance dos mísseis norte-coreanos.

      Leia tudo sobre: foguete

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG