Coreia do Norte fez novo teste de mísseis, diz agência sul-coreana

A Coreia do Norte realizou nesta segunda-feira um teste com cinco mísseis com alcance máximo de 120 km, lançados a partir da costa leste da península, segundo informações da agência sul-coreana Yonhap. Os testes acontecem apenas dias depois de o governo em Pyongyang ter dito estar disposto a voltar à mesa de negociações sobre seu programa nuclear e estes são os primeiros lançamentos de foguetes desde julho.

BBC Brasil |

Em visita à Irlanda do Norte, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse não ter muitas informações sobre os testes, mas declarou que as metas dos Estados Unidos e seus aliados "continuam as mesmas".

"Pretendemos trabalhar por uma península coreana sem armas nucleares", afirmou Clinton.

"Fizemos muito progresso com os outros membros do Grupo dos Seis (EUA, Japão, China, Rússia e as duas Coreias), que se uniram a nós com sérias sanções contra a Coreia do Norte e com quem estamos trabalhando para reiniciar um processo lá."
Hillary Clinton disse ainda que as conversas entre Estados Unidos e seus aliados "não foram afetadas" pelo comportamento do governo norte-coreano.

"Nós perseguimos este objetivo como perseguimos todos os nossos objetivos de segurança nacional: superando obstáculos, superando desafios; uma paciência persistente que não tem qualquer garantia de sucesso", disse Clinton.

Relações deterioradas
Também nesta segunda-feira, a Coreia do Sul propôs voltar a negociar com o Norte o controle de fronteira e o reencontro de famílias separadas pela Guerra da Coreia, entre 1950 e 1953.

A Coreia do Norte ainda não comentou a proposta.

As relações entre as duas Coreias se deterioraram depois que o presidente Lee Myung-bak assumiu o poder no Sul em 2008.

Ele condicionou o fornecimento de ajuda humanitária ao progresso nas negociações nucleares, gerando a ira de Pyongyang.

A Coreia do Norte disse no mês passado estar nas fases finais do enriquecimento de urânio, o que daria ao país um segundo caminho para a construção de armas nucleares.

Acredita-se que a Coreia do Norte já tenha plutônio suficiente para construir cerca de seis bombas nucleares, mas o país ainda não teria tecnologia para fabricá-las em tamanho pequeno o suficiente para que elas fossem acopladas a mísseis.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG