WASHINGTON (Reuters) - A Coreia do Norte espera melhorar as relações exteriores após a viagem deste mês do ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton a Pyongyang ter assegurado a libertação de duas jornalistas norte-americanas presas no país, afirmou nesta quarta-feira o governador do estado do Novo México, Bill Richardson. Richardson, diplomata veterano e ex-representante dos EUA nas Nações Unidas, disse que teve reuniões positivas em Santa Fe com representantes de uma missão norte-coreana às Nações Unidas.

"Os norte-coreanos estão dando bons sinais, de que estão prontos para conversar diretamente com os Estados Unidos", disse Richardson na CNN. "Para eles, a visita do presidente Clinton foi positiva, ajudou a melhorar as relações, torná-las mais fáceis."

"Detectei, pela primeira vez ... uma diminuição na tensão, algumas vibrações positivas", afirmou.

Clinton foi o enviado de mais alto-escalão a visitar Pyongyang em quase uma década e a ficar cara a cara com o recluso líder norte-coreano, Kim Jong-il.

Segundo Richardson, os norte-coreanos demonstraram que, para eles, a decisão de perdoar as jornalistas Euna Lee e Laura Ling e permitir que voltassem aos EUA com Clinton foi um "gesto de sua parte", e os Estados Unidos agora devem a eles um gesto.

Ele disse ainda que os norte-coreanos sinalizaram que querem um diálogo com os EUA, embora Washington queira que Pyongyang volte às antigas reuniões entre as seis partes para discutir a desnuclearização da península coreana.

Richardson afirmou que sua reunião com os norte-coreanos ocorreu a pedido deles, que obtiveram autorização especial para viajar além da região de Nova York.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.