Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Coréia do Norte entrega detalhes sobre programa nuclear

A Coréia do Norte entregou à China uma declaração contendo detalhes do programa nuclear do país, nesta quinta-feira, em Pequim, afirmou a Coréia do Sul. O documento foi entregue por representantes da Coréia do Norte às autoridades chinesas, confirmou o ministério das Relações Exteriores da Coréia do Sul à agência de notícias sul-coreana Yonhap.

BBC Brasil |

A Casa Branca emitiu nota dizendo que o presidente americano George W. Bush deverá suspender as sanções impostas contra o país.

Originalmente o documento deveria ter sido divulgado há seis meses, mas o governo norte-coreano vinha resistindo à sua entrega.

O relatório contém detalhes das usinas atômicas norte-coreanas, porém não revela quantas armas nucleares o Estado comunista possui nem o que será feito delas.

A declaração faz parte dos esforços de desarmamento nuclear da Coréia do Norte, que está negociando com um grupo de seis países, que inclui Rússia, China, Japão, Coréias do Sul e do Norte e Estados Unidos.

Sanções

A Casa Branca está disposta a retirar a Coréia do Norte da lista de países que considera terroristas, condição necessária para que o Estado comunista possa receber auxílio de organizações como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial.

Entenda

No passado, o presidente George W. Bush incluiu a nação asiática no que chamou de "Eixo do Mal", ao lado do Irã e outras forças antagônicas aos Estados Unidos.

Em meio aos esforços diplomáticos de se abrir ao Ocidente, a Coréia do Norte convidou jornalistas internacionais e oficiais do Departamento de Estado americano para testemunhar a demolição de uma torre de resfriamento do reator de Yongbyon nesta sexta-feira.

Em dezembro de 2006, o país fez um teste nuclear detonando uma bomba, o que atraiu a atenção do Ocidente para a necessidade de negociar o desarmamento do país comunista.

Em fevereiro de 2007, a Coréia do Norte concordou em encerrar todas as atividades nucleares em troca de auxílio energético e alimentos.

Os Estados Unidos prometeram prover 950 mil toneladas de petróleo combustível, porém ainda não entregaram a carga.

Negociações passo-a-passo

"É importante lembrar aqui que se trata de um processo passo-a-passo e ações de boa vontade serão respondidas com ações de boa vontade", afirmou Tom Casey, porta-voz da Casa Branca, ao justificar o atraso.

Desde então, o país já desativou o reator de Yongbyon, mas as negociações para os próximos passos no processo de desarmamento ainda não estão completamente resolvidas.

A divulgação dos detalhes do programa nuclear da Coréia do Norte é um marco nas relações da isolada nação com o resto do mundo, mas não representa o fim do processo de desarmamento.

Entre os pontos de delicados pendentes na negociação estão a falta de informações precisas sobre o uso da tecnologia nuclear para a construção de armas e a possibilidade dessa tecnologia ter sido repassada para outros países como Paquistão e Irã.

A partir de agora, as negociações de desarmamento entram em uma nova, e mais difícil, etapa.

Estados Unidos, China, Coréia do Norte, Coréia do Sul, Japão e Rússia precisam concordar a respeito do que será feito com as possíveis armas e material nuclear bélico que Pyongyang tem em estoque.

A troca dessas armas por energia não é o único item sendo negociado. O Japão espera que os norte-coreanos revelem o que foi feito das dezenas de cidadãos japoneses que foram seqüestrados pelo Estado comunista desde os anos 60.

Leia mais sobre: Coréia do Norte

Leia tudo sobre: coréia do norte

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG