Coréia do Norte deu armas atômicas a seis países, diz Israel

Por Mark Heinrich VIENA (Reuters) - Israel acusou neste sábado a Coréia do Norte de fornecer armas de destruição em massa para pelo menos seis países no Oriente Médio que descumpriram acordos de controle de armas.

Reuters |

O Estado judaico manifestou-se no momento em que uma assembléia dos 145 nações integrantes do órgão da ONU de supervisão nuclear, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), adotava por unanimidade uma resolução fazendo um chamado urgente à Coréia do Norte para que volte atrás nas medidas tomadas para reativar seu programa capaz de construir bombas atômicas, que havia sido encerrado.

O próprio Estado de Israel é alvo de dois esboços de resolução patrocinados por países árabes e motivo de acalorada contestação. Os esboços fazem um chamado urgente para que Israel abandone seu monopólio das armas nucleares no Oriente Médio, assine o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) e aceite inspeções integrais da AIEA.

Israel afirmou que seis países do Oriente Médio obtiveram secretamente os meios para produzir armas de destruição em massa e mísseis balísticos, ignorando seus compromissos como membros do TNP e outros regimes de controle de armas.

"Num momento em que a comunidade internacional se concentra nas atividades nucleares da Coréia do Norte e no não-cumprimento de seus acordos, o Oriente Médio está do outro lado, como receptor das práticas inconsequentes da Coréia do Norte", disse o enviado israelense David Danieli, no encontro da AIEA em Viena.

"Pelo menos meia dúzia de países na região que não cumprem regimes de controle, e estão agindo de má-fé em relação a sua política oficial e seus compromissos com convenções de não-proliferação, se tornaram ávidos receptores da Coréia do Norte, principalmente através do mercado negro e redes secretas", disse Danieli, sem mencionar quais seriam os países.

Funcionários de setores de inteligência do Ocidente dizem que Irã, Síria, Líbia, Iêmen, Egito, Emirados Árabes Unidos e o Iraque, no governo de Saddam Husseim, estariam na lista norte-coreana de exportações de mísseis e tecnologia relacionada a essas armas desde os anos 1980.

"Não está sendo dada a devida atenção a este aspecto sombrio do comportamento norte-coreano, que se tornou motivo de grande preocupação para meu governo e vários outros", disse Danieli.

Ele afirmou haver crescente evidência de que tais países estão "imitando as perigosas práticas ilegais" da Coréia do Norte, que deixou o TNP em 2003 e desenvolveu armas atômicas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG