Coreia do Norte confirma ter grande usina para enriquecer urânio

Instalação foi revelada pela primeira vez por cientista americano; declaração é feita em meio à tensão por ataque contra Seul

iG São Paulo |

A Coreia do Norte possui uma usina de enriquecimento de urânio com "milhares" de centrífugas e está em processo de construir um reator nuclear de água leve, publicou nesta terça-feira o periódico norte-coreano "Rodong Sinmun" .

O diário, que pertence ao Partido dos Trabalhadores, afirma que o regime comunista de Pyongyang levará adiante suas atividades de enriquecimento de urânio com "propósitos pacíficos" para responder à "sua necessidade de energia". Não ficou claro se as centrífugas poderiam ser usadas para produzir componentes para armas nucleares.

"Neste momento, estamos construindo um reator movido a água leve e, para atender a essa demanda, estamos operando um sistema moderno de enriquecimento de urânio com milhares de centrífugas", disse a agência de notícias oficial da Coreia do Norte, KCNA, referindo-se ao complexo nuclear de Yongbyon, perto da capital, Pyongyang.

A informação, que tinha sido adiantada por um cientista americano neste mês , foi divulgada pelo jornal norte-coreano e divulgada pela agência estatal "KCNA" em meio à crise com a Coreia do Sul, após o ataque de Pyongyang a uma ilha sul-coreana, que deixou quatro mortos em 23 de novembro . Pyongyang diz que o ataque foi uma resposta a uma operação de perfuração levada a cabo pela Coreia do Sul perto da ilha Yeonpyeong.

A Coreia do Sul e os Estados Unidos suspeitavam há anos da existência de um programa de enriquecimento de urânio na Coreia do Norte, algo que o regime comunista negou até 2009, quando assegurou estar na "última fase" para obter urânio enriquecido.

No começo de novembro, o cientista americano Siegfried Hecker visitou a usina de Yongbyon e disse ter ficado "perplexo' com a sofisticação do equipamento que lhe foi apresentado.Ele disse ter visto a usina, mas não pôde confirmar se ela estava funcionando.

A Coreia do Norte o assegurou que as centrífugas estavam funcionando, produzindo urânio de baixo enriquecimento que poderia ser usado como combustível em um reator experimental movido a água leve em fase de construção.

AP
Jato americano pousa no porta-aviões USS George Washington durante exercício militar conjunto com a Coreia do Sul
A publicação desta terça-feira acontece em meio a manobras conjuntas de EUA e Coreia do Sul nas tensas águas do Mar Amarelo, na fronteira entre as duas Coreias, que não é reconhecida por Pyongyang. Os exercícios militares, que começaram no domingo e se prolongarão até a quarta-feira, são considerados uma resposta ao ataque contra a ilha de Yeonpyeong.

A Coreia do Norte descreveu como provocação as manobras. O porta-aviões George Washington e quatro outras embarcações americanas participam da operação ao lado de destróieres, navios de patrulha, fragatas e aviões com artilharia antissubmarino da Coreia do Sul.

No meio da tensão na península, a China, o principal e quase único aliado da Coreia do Norte, propôs uma reunião dos negociadores nucleares do diálogo de seis lados (China, Coreias, Japão, EUA e Rússia) para tratar do ataque.

*Com EFE e BBC

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG