Coreia do Norte anuncia anistia a presos

Governo norte-coreano não informa quantos prisioneiros serão perdoados e nem por quais crimes

iG São Paulo |

A Coreia do Norte anunciou nesta terça-feira que vai conceder anistia para um número não divulgado de presos, num raro gesto que parece tentar aumentar a popularidade do novo líder do país, Kim Jong-un.

A anistia, que deve ser oficializada em 1º de fevereiro, vai marcar o aniversário de dois ex-líderes do país. Em 2012, Kim Jong-il (1942-2011) faria 70 anos e seu pai, Kim Il-Sung (1912-1994), faria 100 anos. A agência oficial norte-coreana não informou por quais crimes os prisioneiros serão perdoados.

Leia também: Documentário na TV norte-coreana promove novo líder

AP
Kim Jong-un aparece montado em cavalo em imagem da rede estatal norte-coreana (08/01)

Será a primeira vez que o governo concederá anistia a presos em mais de seis anos. Grupos de direitos humanos estimam que 200 mil sejam mantidos em prisões e campos de trabalho norte-coreanos, essencialmente por motivos políticos.

Também nesta terça-feira, a agência norte-coreana afirmou que os principais militares do país manifestaram seu apoio a Kim Jong-un, fazendo uma promessa de lealdade ao novo líder.

Leia também: Saiba mais sobre Kim Jong-un, novo líder da Coreia do Norte

A imprensa japonesa informou nesta terça-feira que a Coreia do Norte está mantendo conversações secretas com o Japão na China desde a morte de Kim Jong-il, em desembro.

Em meio a uma série de contatos diplomáticos na região, o presidente da Coreia do Sul, Lee Myung-bak, se encontrou com líderes chineses em Pequim para discutir meios de preservar a paz e a estabilidade na península, no momento em que a Coreia do Norte passa por uma delicada transição.

O ex-ministro japonês Hiroshi Nakai, que anteriormente era encarregado da questão dos japoneses sequestrados pela Coreia do Norte nos anos 1970 e 1980, se reuniu com uma delegação norte-coreana na segunda-feira para tratar dessa questão, segundo a agência de notícias Kyodo.

De acordo com o diário Mainichi, as duas partes também conversaram sobre a retomada de negociações entre os dois governos.

Com AFP, AP e Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG