Coreia do Norte ameaça obstruir acordo nuclear mundial

Por Stephanie Nebehay GENEBRA (Reuters) - A Coreia do Norte, irritada com as críticas sul-coreanas e japonesas por seu teste nuclear, afirmou nesta terça-feira que pode não apoiar iniciativas que tentem limitar a produção de material para bombas atômicas, ameaçando o início das negociações globais sobre o tema.

Reuters |

A Conferência sobre Desarmamento, bancada pela Organização das Nações Unidas (ONU), está avaliando um pacote de medidas em meio a sinais de que o impasse de uma década pode ser superado nas próximas semanas.

O diplomata norte-coreano An Myung Hun rejeitou com raiva as críticas feitas pelas delegações da Coreia do Sul e do Japão sobre o mais recente teste nuclear. Na segunda-feira, ele disse que a explosão subterrânea foi uma "medida de autodefesa".

"Essa delegação não pode descartar a probabilidade de que essas declarações possam afetar negativamente a conjuntura positiva na minha capital a respeito de uma decisão preliminar", disse An ao fórum de Genebra.

O início das negociações por um tratado que proíba a produção de materiais de fissão nuclear para bombas --plutônio e urânio enriquecido-- é visto como a principal prioridade da Conferência sobre Desarmamento.

Além desse acordo, as conversas também tratariam de um desarmamento nuclear mais amplo e da prevenção de uma corrida armamentista no espaço.

Como o fórum toma todas as decisões por consenso, a adoção do pacote exige a aprovação de todos os 65 países-membro.

Isso inclui as cinco potências nucleares oficiais --Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos--, Índia, Paquistão, ambos com tecnologia atômica, e Israel, considerado o único país do Oriente Médio a possuir armas nucleares.

O embaixador da Coreia do Norte em Genebra, Ri Tcheul, voltou a Pyongyang no fim de semana, de acordo com diplomatas. Eles esperam para breve esclarecimentos sobre a posição do país.

"Eles podem obstruir tudo", disse uma fonte diplomática sobre a Coreia do Norte. "Mas eu ainda estou otimista de que nós podemos andar na direção certa."

O encarregado norte-americano Garold Larson foi um dos poucos oradores da sessão desta terça-feira que não se referiram à Coreia do Norte, em um discurso que na opinião de outros diplomatas foi desenhado para proteger um acordo a caminho.

Larson declarou que o pacote em negociação é um "documento bem equilibrado que agora tem uma perspectiva sólida de atingir o consenso total," mas que ainda falta ser alcançado o acordo formal.

"Mas estamos perto, e eu estou satisfeito em dizer que os Estados Unidos estão preparados para se juntar ao consenso tão logo ele seja atingido sob o texto atual."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG