Coreia do Norte adia lançamento de foguete

A Coreia do Norte parece ter adiado neste sábado o lançamento de seu polêmico foguete, que supostamente colocará um satélite de telecomunicações em órbita, devido a condições meteorológicas desfavoráveis, deixando a comunidade internacional na expectativa.

Redação com agências internacionais |

    A Coreia do Norte anunciou no final de fevereiro sua intenção de colocar em órbita, entre este sábado e quarta-feira, um "satélite de telecomunicações" que deverá sobrevoar o arquipélago japonês.

    O lançamento deveria ser efetuado entre 11h e 16h locais (23h e 4h de Brasília) entre os dias 4 e 8 de abril.

    Os Estados Unidos e seus aliados asiáticos suspeitam que o lançamento possa servir de pretexto para um teste com um míssil de longo alcance Taepodong 2.

    "A previsão de um lançamento neste sábado parecia verossímil, mas as condições meteorológicas não eram suficientemente boas na base de lançamento", indicou uma autoridade sul-coreana, citada pela agência Yonhap, após uma reunião de urgência do governo.

    Ventos muito fortes foram registrados neste sábado na base de lançamento de Musudan-ri, no nordeste da Coreia do Norte, indicou um porta-voz do Centro de Meteorologia da Coreia do Sul, acrescentando que o céu estava "parcialmente nublado". Um especialista aeroespacial considerou que as condições não eram "ideais" neste sábado.

    Espera-se que as condições meteorológicas melhorem no domingo, com ventos mais fracos, mas o céu se manterá encoberto, segundo a mesma fonte.

    O regime norte-coreano havia anunciado anteriormente a conclusão dos preparativos para o lançamento.

    "Os preparativos para o lançamento do Kwangmyongsong-2, um satélite de telecomunicações experimental, transportado pelo foguete Unha-2, foram concluídos na plataforma de lançamento do satélite, no litoral leste da Coreia do Norte", informou a agência de notícias KCNA.

    "O satélite será lançado em breve", acrescentou, citando informações do Comitê de Tecnologia Espacial coreano.

    O foguete Unha-2, também chamado de Taepodong-2, de 6.700 km de alcance, é teoricamente capaz de atingir o território do Alasca (EUA).

    Assista ao vídeo:

    "Resposta firme"

    No início desta semana, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, afirmaram que, caso Pyongyang lance o foguete, sofrerá uma "resposta firme e conjunta".

    Já o governo do Japão afirmou que derrubará o artefato se ele ameaçar o território japonês.

    Tóquio também enviou duas embarcações militares equipadas com tecnologia para interceptar mísseis para o Mar do Japão. Os militares norte-coreanos afirmaram que haverá uma retaliação imediata caso haja alguma tentativa de interceptar o foguete.

    Mísseis

    Acredita-se que a Coreia do Norte possua mais de 800 mísseis balísticos, o que inclui artefatos de longo-alcance, que poderiam atingir o território dos Estados Unidos.

    Os primeiros mísseis táticos do governo norte-coreano foram fornecidos pela União Soviética, em 1969. Já o primeiro míssil do tipo Scud, segundo informações, foi obtido via Egito no ano de 1976.

    O governo egípcio teria fornecido mísseis Scud-B para a Coreia do Norte como retribuição pelo apoio de Pyongyang durante a Guerra do Yom Kippur, contra Israel, em 1973.

    Por volta do ano de 1984, a Coreia do Norte já era capaz de fabricar seus próprios mísseis Scud-B e desenvolveu outras duas novas versões, o Scud-C e o Scud-D.

    Desde então, o país comunista também desenvolveu um míssil de alcance médio, o Nodong, e um artefato de longo-alcance baseado na tecnologia do Scud, o Taepodong.

    Em julho de 2006, o país testou uma versão modificada do Taepodong, chamada de Taepodon-2, que, segundo especialistas tem um alcance de 6 mil quilômetros.

    (*Com informações da BBC Brasil e da AFP)

    Leia mais sobre: Coreia do Norte

    Leia também

      Leia tudo sobre: coréia do nortefoguetes

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG