Conversa de Berluconi com mulher pode indicar crime cultural

Por Philip Pullella ROMA (Reuters) - As conversas privadas do primeiro-ministro Silvio Berlusconi com uma suposta prostituta podem acabar colocando-o em apuros com as autoridades arqueológicas italianas.

Reuters |

Em uma das transcrições das suas supostas conversas com Patrizia D'Addario, divulgadas por um site italiano, Berlusconi se gaba da sua mansão da Sardenha, onde há desde sorveteria até lagos artificiais. "Aqui encontramos 30 tumbas fenícias de 300 a.C.", diz a voz atribuída ao premiê.

O novo trecho foi divulgado na quinta-feira no site do semanário L'Espresso e imediatamente gerou indignação da oposição e da comunidade arqueológica.

Pela lei italiana, descobertas arqueológicas em propriedade privada devem ser notificadas ao Estado, que tem o dever de inspecioná-las, catalogá-las e possivelmente escavá-las.

Os jornais italianos disseram na sexta-feira que as autoridades culturais sardas desconheciam esses sítios, e arqueólogos suspeitam que se trate de uma descoberta muito importante.

O Partido Democrático (oposição) exigiu que Berlusconi ou seu ministro da Cultura, Sandro Bondi, se expliquem ao Parlamento sobre a razão de a suposta descoberta não ter sido informada oficialmente.

A associação nacional de arqueólogos disse que o suposto sítio arqueológico pode revelar muitos aspectos sobre as primeiras civilizações da Sardenha. Os fenícios eram um povo mercantil que montaram assentamentos ou colônias em diversas partes do Mediterrâneo, entre 2.300 a.C. e o século 1. da era cristã.

"SEX AND THE SILVIO"

D'Addario, 42 anos, diz que ela e outras mulheres foram pagas para participar de festas na residência de Berlusconi em Roma.

O bilionário premiê conservador de 72 anos, que costuma se gabar de sua capacidade sexual, não negou que D'Addario tenha ido à sua casa, mas disse que não sabia que ela era prostituta, e garante nunca ter pago para fazer sexo.

Na quarta-feira, porém, Berlusconi admitiu que não é "nenhum santo", embora tenha prometido cumprir seu mandato até o final, em 2013.

Em sua última edição, o semanário L'Espresso saiu com o título "Sex and the Silvio" na capa. A revista diz que os políticos se perguntam se "ele ainda pode governar o país".

Embora Berlusconi tenha tentado minimizar a polêmica, suas possíveis repercussões são inegáveis. Uma pesquisa divulgada na terça-feira mostrou que sua popularidade caiu abaixo de 50 por cento pela primeira vez desde sua vitória eleitoral do ano passado.

Berlusconi perdeu quatro pontos percentuais de aprovação desde maio, quando sua esposa pediu divórcio, farta das revelações sobre a vida pessoal dele.

Em entrevista à TV Repubblica, o líder oposicionista Dario Franceschini disse que o enfraquecimento de Berlusconi é "um fato objetivo", e que ele vê possibilidade de que o atual governo caia ainda neste ano.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG