Gustav - Mundo - iG" /

Convenção republicana começa com alterações causadas por Gustav

César Muñoz Acebes. St Paul (EUA.), 1 set (EFE) - A convenção nacional do Partido Republicano, durante a qual o senador John McCain vai ser oficialmente nomeado candidato à Casa Branca, teve início hoje com a execução do hino dos Estados Unidos.

EFE |

Devido à chegada do furacão "Gustav" ao sul dos Estados Unidos, o primeiro dia do encontro foi encurtado com a eliminação dos discursos políticos, e não deve ter música ou discursos inflamados.

O diretor da campanha de John McCain, Rick Davis, afirmou hoje que, a princípio, o aspirante à Casa Branca aceitará a nomeação como candidato republicano à Presidência na quinta-feira em St Paul (Minnesota), como estava previsto.

"Não temos absolutamente nenhuma previsão de que o senador McCain receberá a nomeação em outro lugar que não seja St Paul", disse Davis, que declarou que eles não contam com "planos de contingência para fazê-lo fora da cidade".

No domingo, o senador do Arizona disse que poderia fazer seu discurso via teleconferência de algum dos estados atingidos pelo furacão.

No entanto, os relatórios recebidos até agora sobre "Gustav" deixaram os organizadores da convenção otimistas de que poderão retomar o programa original do encontro.

"Gustav", que tocou terra pouco mais de 100 quilômetros ao oeste de Nova Orleans, não afetou nenhum dos diques que romperam, há três anos, com o impacto do furacão "Katrina" deixou a cidade inundada.

Também não há registros de mortes causadas diretamente pelo furacão.

Diante do avanço do ciclone, McCain ordenou no domingo o fim dos atos de aparência política, até obter mais informações sobre o seu impacto.

Consciente das críticas ao Governo de George W. Bush por sua má reação ao furacão "Katrina", McCain deu um reviravolta em sua própria agenda e só aparece em atos relacionados com a resposta a "Gustav".

Hoje, visitou um centro de ajuda em Waterville (Ohio), no qual auxiliou a preparar produtos de limpeza para serem enviados à região do Golfo.

Já seu adversário democrata, Barack Obama, pediu para que seus partidários doem dinheiro para ajudar as vítimas, em um comício em Detroit (Michigan).

Enquanto isso em St Paul, os republicanos querem aproveitar a convenção para recolher ajuda aos afetados.

Hoje, eles anunciaram que, desde quarta-feira, centenas de voluntários prepararão 80 mil pacotes com artigos como escovas de dentes, sabão e comida, no Centro de Convenções de Mineápolis, a cidade vizinha a St Paul.

Além disso, Cindy McCain, a mulher do candidato, pedirá hoje aos delegados reunidos no Xcel Energy Center, o estádio onde acontecerá a convenção, para que arrecadem fundos para as vítimas do furacão "Gustav".

Além de Cindy, Laura Bush, a mulher do atual presidente, falará rapidamente aos delegados.

No entanto, os discursos não terão qualquer conteúdo político, a pedido do senador do Arizona.

Laura Bush passou hoje pelos estúdios de emissoras de televisão para enfatizar que, desta vez, a resposta do Governo republicano à emergência é diferente.

"Realmente aprendemos a lição com o 'Katrina' e a coordenação entre os Governos locais, estaduais e federais vai ser muito melhor", disse à ABC.

Seu marido discursaria hoje na convenção, mas preferiu visitar o Centro de Operações de Emergência do Texas junto com o diretor de Agência Federal de Gestão de Emergências, David Paulison.

Quando o furacão "Katrina" atingiu o país, Bush foi alvo de muitas críticas e demorou quatro dias para visitar a região afetada.

Além dos discursos de Laura Bush e Cindy McCain, os republicanos realizarão hoje os trâmites formais para o estabelecimento da convenção, um passo indispensável para a nomeação formal de John McCain como candidato à Casa Branca.

O furacão também não impediu a reunião de milhares de manifestantes em torno do extenso perímetro de segurança que isola o Xcel Energy Center, controlado por cerca de 3.500 policiais.

Alguns agitaram cartazes contra a Guerra do Iraque e outros passearam encapuzados e com os macacões laranja dos presos de Guantánamo (Cuba). EFE cma/ab

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG