Convenção democrata de Denver: democratas prontos para entronizar Barack Obama

A Convenção democrata de Denver (Colorado, oeste dos EUA), na qual Barack Obama será designado candidato oficialmente, será realizada a partir de segunda-feira, 25 de agosto, prolongando-se até 28 de agosto.

AFP |

Mais de 4.000 delegados, procedentes de todos os cantos do país, vão participar dessa reunião, que contará, ao todo, com um público de cerca de 50.000 pessoas, incluindo 15.000 jornalistas do mundo inteiro.

Essa será a 45ª Convenção do Partido Democrata e a segunda, em 100 anos, a acontecer em Denver.

Para ser declarado candidato, é preciso reunir, pelo menos, 2.117 votos dos 4.233 delegados. Segundo números extra-oficiais, Obama deve contar com mais de 2.200.

Os delegados devem se reunir no Pepsi Center, um vasto complexo geralmente usado para eventos esportivos. Já Obama fará o discurso de encerramento da convenção no estádio Invesco Field at Mile High, com capacidade para 75.000 pessoas.

No dia 28 de agosto, 45 anos depois, Barack Obama retomará o famoso discurso de Martin Luther King "Eu tenho um sonho".

É na Convenção que os representantes do partido nomeiam e confirmam seus candidatos à presidência e à vice-presidência dos EUA, adotam um programa e tentam se apresentar ao povo americano como um partido unido.

A presidente da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, presidirá a Convenção.

O primeiro dia, 25 de agosto, será marcado por uma intervenção de Michelle Obama, a mulher do senador por Illinois, e por uma homenagem ao senador Edward Kennedy, vítima de um câncer incurável no cérebro.

O ex-governador da Virgínia Mark Warren será o principal orador da noite de 26 de agosto. Em 2004, esse papel coube a Barack Obama. A senadora por Nova York Hillary Clinton, derrotada nas primárias por Obama, também falará no dia 26.

No dia 27, os delegados serão chamados a escolher entre Hillary e Obama, uma votação simbólica, já que a ex-primeira-dama não tem, matematicamente, qualquer chance de obter a maioria necessária para ser declarada candidata.

Depois de receber os votos de seus correligionários, Hillary, que também é delegada, deverá, então, anunciar seu voto em Obama e pedir aos companheiros que façam o mesmo.

O futuro vice de Obama na chapa presidencial discursará na noite do dia 27. Entre os oradores previstos, está o ex-presidente dos EUA Bill Clinton.

O senador Barack Obama apresenta-se como representante da mudança e da esperança após oito anos de governo conservador, em um país que nunca teve um presidente negro em mais de 200 anos de história.

Nascido em 1961 no Havaí, fruto de um breve relacionamento entre um estudante queniano e uma americana branca, formado pela prestigada Universidade de Harvard, Obama oferece uma imagem de elegância e retidão.

A falta de experiência política foi objeto de ataques sobretudo por parte de sua rival na disputa democrata, a ex-primeira-dama Hillary Clinton, e de seu oponente republicano John McCain.

Consciente dessa fraqueza, Obama conseguiu transformá-la em uma vantagem, ao se apresentar em seus atos políticos como o candidato da "mudança" e da "esperança". O título de um de seus livros resume exatamente essa postura: "A audácia da esperança".

Obama, que pode ser o primeiro presidente negro dos Estados Unidos, tem sido freqüentemente comparado por seus partidários a John F. Kennedy, presidente democrata assassinado nos anos 60.

O destino de Obama mudou em julho de 2004, quando subiu à tribuna na convenção democrata de Boston. Na época, ele era apenas um político local com um "nombre estranho" que tentava se eleger para o Senado.

Quando deixou o palanque, foi ovacionado pelos delegados: "Não há Estados Unidos de esquerda e Estados Unidos conservador. Só existe um Estados Unidos. Não há uma América branca e uma América negra e uma América hispânica ou asiática: existem os Estados Unidos da América e somos todos um", declarou.

Carismático, Obama consegue capturar a atenção de milhares falando em qualquer palanque do país, e diante dos eleitores que se reunem para escutá-lo, ele se apresenta como a melhor alternativa para vencer McCain, outro partidário da guerra no Iraque.

Barack Obama é casado com Michelle Obama, de 44 anos, de Chicago, formada em sociologia e direito. O casal tem duas filhas, Malia, de nove anos, e Sasha, de seis.

aje/tt/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG