Controle de segurança em aeroportos dos EUA é paranoia, diz Cuba

HAVANA (Reuters) - O jornal do Partido Comunista cubano descreveu na segunda-feira como paranoia antiterrorista os novos controles de segurança impostos nos Estados Unidos a viajantes de 14 países, entre eles Cuba, incluída por Washington entre as nações patrocinadoras do terrorismo. Os Estados Unidos disseram no domingo que as pessoas provenientes de Nigéria, Iêmen, Paquistão, Afeganistão, Arábia Saudita e de outras nove nações deverão se submeter a inspeções mais rigorosas antes de embarcarem em aviões depois da tentativa frustrada de um nigeriano de explodir uma aeronave da Northwest Airlines no dia de Natal.

Reuters |

"Como parte de sua paranoia antiterrorista, o governo dos Estados Unidos anunciou neste domingo o reforço das medidas de segurança nos terminais aéreos do país (...) a viajantes de 14 países, entre eles Cuba", disse o Granma, jornal oficial do governo cubano.

Cuba, Irã, Sudão e Síria estão incluídos na lista negra como patrocinadores do terrorismo e seus cidadãos deverão ser submetidos a inspeções mais rigorosas, segundo o governo norte-americano.

"Não acho que Cuba seja um país terrorista, nem que apoie o terrorismo. O controle para nós, cubanos, é sempre normal, sempre fazem isso", disse Carmen, uma moradora da Flórida pouco antes de tomar um avião de volta a Miami pela companhia aérea Gulfstream.

(Reportagem de Nelson Acosta)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG