Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Contágio de aids entre héteros costuma ocorrer no casamento, diz estudo

Londres, 26 jun (EFE).- A maioria dos heterossexuais soropositivos em países africanos como Zâmbia e Ruanda contraíram a doença dentro do casamento ou dentro de casa, segundo estudo publicado hoje na revista médica britânica The Lancet.

EFE |

Segundo os especialistas, as conclusões desse estudo implicam que a assistência sanitária preventiva deveria oferecer assessoria e exames médicos também aos casais, e não se concentrar em promover a abstinência ou apenas analisar casos extraconjugais.

A África Subsaariana tem altos índices de contágio da doença, a maioria entre heterossexuais, aponta a "The Lancet".

No entanto, até agora houve poucas tentativas de determinar o nível de contágio entre casais estáveis, apesar de esta ser uma informação importante para planejar estratégias de tratamento.

Em sua pesquisa, a equipe dirigida por Kristin Dunkle, da Universidade de Emory, em Atlanta (Estados Unidos), utilizou informações de estudos demográficos de saúde sobre comportamentos heterossexuais realizados na Zâmbia entre 2001 e 2002 e em Ruanda em 2005.

Também utilizaram dados sobre a incidência da aids em casais ou homens e mulheres casados, e em parceiros que não moravam juntos, em Lusaka (Zâmbia) e Kigali (Ruanda).

Calcularam a probabilidade de uma pessoa ser infectada pelo vírus da aids através de um parceiro com o qual convivia ou não, e depois a proporção total das transmissões anuais da doença entre heterossexuais que tenha ocorrido dentro do casamento ou de casa.

Os pesquisadores analisaram dados de 1.739 mulheres e 540 homens zambianos, e de 606 homens e 1.176 mulheres ruandeses.

Descobriram que entre 55% e 93% dos novos contágios de aids entre heterossexuais adultos nas capitais da Zâmbia e Ruanda ocorrem entre casais que convivem ou são casados.

Calcula-se que a proporção de homens e mulheres que são infectados sem saber que um dos dois é portador do vírus seja de 20% ao ano nesses locais.

Os especialistas afirmam que se fossem realizadas intervenções dirigidas aos casais, essa porcentagem anual seria reduzida a 7%, e que poderiam ser evitados de 36% a 60% dos casos de contágio entre heterossexuais. EFE jm/bm/fr

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG