Cônsul da Espanha é destituído por vazar documento

O governo da Espanha destituiu oficialmente o cônsul-geral do país em São Paulo, Fernando Martínez Westerhausen. O motivo foi o vazamento de um documento confidencial destinado ao Ministério de Assuntos Exteriores e de Cooperação de seu país, no qual o diplomata relatou detalhes da prisão na semana passada de um político espanhol no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos.

Agência Estado |

O conteúdo foi todo publicado pela agência de notícias Europress.

O político Alfredo Prada, de 50 anos, diretor do Partido Popular - de oposição ao governo do primeiro-ministro espanhol José Luiz Rodríguez Zapatero -, foi preso no dia 10 deste mês por desacato. De acordo com a Polícia Federal (PF), Prada se negou a passar dois frascos com líquido, que estavam na bagagem de mão, pelo aparelho de raio X. Após isso, ele desrespeitou funcionários da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) e agentes da PF.

O Consulado-Geral da Espanha em São Paulo nega que a destituição tenha relação com o incidente. De acordo com o cônsul-adjunto Ignacio García Lumbreras, o motivo teria sido somente o vazamento do relatório a terceiras pessoas e que acabou sendo divulgado pela imprensa espanhola. Eram informações confidenciais que vazaram. Não tem relação com a detenção de Prada ou com um incidente diplomático entre Espanha e Brasil, disse o diplomata, que assumirá provisoriamente o consulado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: espanha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG