Quito, 26 ago (EFE).- O ex-vice-presidente do Equador e membro da Assembléia Constituinte León Roldós disse hoje que denunciará à Procuradoria que o projeto de uma nova Constituição é uma fraude por não se tratar, segundo ele, do texto aprovado por esta instituição.

Roldós afirmou hoje à emissora "Ecuavisa" que tem provas de que o texto distribuído na Assembléia, atualmente em recesso para que os equatorianos o conheçam para o referendo do próximo mês, não é o mesmo que consta nas atas do processo de redação.

Por isto, Roldós disse que irá hoje à Procuradoria para apresentar uma denúncia.

"Correspondendo a um pedido público de (o presidente da Assembléia) Fernando Cordero que demonstra que há falsidades no texto, pedirei hoje ao procurador-geral (Washington Pesántez) que abra um inquérito, e espero que proceda conforme a lei", declarou.

Roldós afirmou que o texto circulado em uma publicação oficial da Assembléia é "uma fraude declarada".

O constituinte da oposicionista Rede Ética e Democracia (RED) afirmou que tem cópias de "todas as atas assinadas, folha por folha" das reuniões da Assembléia que "demonstram" que não está mentindo.

As críticas de Roldós se juntam às do Conselho de Câmaras do Equador (que inclui empresários e comerciantes), que questionou a inclusão no texto do projeto de Carta Magna do chamado Regime de Transição.

O Regime de Transição foi idealizado pela Assembléia, de maioria governista, para preencher o vazio institucional que será criado no Equador se a nova Constituição for aprovada.

Para Cordero, o Regime de Transição é parte do projeto.

Caso o projeto de Carta Magna seja aprovado no referendo, o Regime de Transição permitirá que a Assembléia conduza o processo de mudança do Governo, mas o Conselho de Câmaras considera que deveriam ser realizadas eleições legislativas para que o novo Congresso se encarregue do assunto.

Mais de 9 milhões de equatorianos irão às urnas no dia 28 de setembro para aprovar ou rejeitar o projeto de Constituição que, se aprovada, será a 20ª do país andino. EFE sm/wr/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.