Consórcio russo-canadense controlará GM na Europa

A montadora americana GM escolheu um consórcio liderado pela fabricante de autopeças canadense Magna para passar a controlar suas subsidiárias na Europa - Opel e Vauxhall -, segundo anúncio feito nesta quinta-feira pela chanceler alemã, Angela Merkel. Os detalhes da aquisição ainda devem ser finalizados, mas a GM já anunciou que irá vender 55% de sua participação nas subsidiárias.

BBC Brasil |

A Magna, que se associou ao banco russo Sberbank nas negociações, era a candidata preferida pelo governo da Alemanha, pois prometeu manter funcionando todas as fábricas no país.

"Estou muito contente por esta decisão, e ela vai de encontro ao que o governo federal vinha defendendo", afirmou Merkel. "É também o que os empregadores e os empregados da Opel queriam."
A Opel tem sede na Alemanha, mas opera fábricas em outros países europeus. A Vauxhall é a marca da GM na Grã-Bretanha.

Nos últimos dias, houve rumores de que a GM estaria tentando manter o controle das duas marcas.

Grã-Bretanha
Segundo o analista de economia da BBC Martin Shankleman, a venda para a Magna era opção que vinha enfrentando mais resistência por parte dos diretores da Opel.

Na Grã-Bretanha, os sindicatos também se manifestaram contrários à aquisição pelo grupo canadense, temendo que o país fosse o primeiro a ser afetado por possíveis demissões.

Uma oferta rival partiu do grupo de investimentos belga RHJ.

A Opel emprega 54,5 mil pessoas em toda a Europa - 25 mil delas apenas na Alemanha.

Desde que a GM pediu concordata nos Estados Unidos, em junho, a Opel vinha sendo controlada por um grupo que inclui representantes da própria GM, do governo federal alemão e dos Estados alemães onde há fábricas da subsidiária.

Por sua vez, a Vauxhall tem 5,5 mil funcionários na Grã-Bretanha.

A matriz americana hoje tem 61% de suas ações pertencentes ao governo dos Estados Unidos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG