Consertar acelerador de partículas LHC custará entre 26 e 35 milhões de dólares

O conserto do Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), o gigantesco acelerador de partículas construído sob a fronteira entre a Suíça e a França, custará entre 26 e 35 milhões de dólares, anunciou neste domingo o novo diretor geral da Organização Européia de Pesquisa Nuclear (CERN), Rolf-Dieter Heuer.

AFP |

Em entrevista publicada neste domingo no jornal Sonntag, Heuer afirmou que o conserto do LHC será coordenado por especialistas não ligados à CERN.

"Quero ter certeza de que tudo funciona", disse Heuer, que no dia 1º de janeiro substituiu o francês Robert Aymar. "Por isso, permitirei que uma equipe externa realize um controle adicional" do acelerador de partículas, explicou.

O físico alemão disse ter total confiança nos técnicos da CERN, mas ponderou que "quando você trabalha com uma coisa há muito tempo, corre o risco de não enxergar os defeitos".

A construção do LHC foi fruto de 12 anos do trabalho de 7.000 físicos, com um investimento total de 3,76 bilhões de euros (quase 4,9 bilhões de dólares).

A máquina, que permitirá o avanço da pesquisa sobre as origens do universo a partir da colisão de prótons à velocidade da luz, foi inaugurada no dia 10 de setembro do ano passado, mas teve seu funcionamento interrompido nove dias depois devido a um defeito em um dos supercondutores encarregados de guiar as partículas ao longo dos 27 quilômetros do acelerador, construído a 100 metros de profundidade sob o solo.

Uma vez consertado, o LHC retomará suas atividades progressivamente, e não deve funcionar com 100% da capacidade até 2010.

pac/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG