Consequência de bomba do Irã seria desastrosa--militar dos EUA

Por Andrew Gray WASHINGTON (Reuters) - As consequências de uma bomba nuclear do Irã seriam desastrosas e as principais potências devem agir juntas na prevenção, disse um alto militar norte-americano nesta quinta-feira.

Reuters |

Os comentários do almirante Mike Mullen foram feitos um dia após o presidente do Irã ter anunciado que o país testou um míssil que analistas dizem poderia atingir Israel e bases dos Estados Unidos no Golfo, uma grande fonte de petróleo para os EUA.

Os EUA e outras potências ocidentais estão preocupados que o Irã pode combinar elementos de seus programas de urânio enriquecido e de mísseis para criar uma arma nuclear, embora Teerã negue que sua intenção seja a criação de uma bomba.

"Sou um dos que acreditam que a obtenção de uma arma nuclear pelo Irã é desastroso para a região e para o mundo", disse Mullen, chefe adjunto do Estado-maior dos EUA, ao Comitê de Relações Exteriores do Senado norte-americano.

"Isto então, sob meu ponto de vista, gera vizinhos que se sentem expostos, deficientes e então desenvolvem ou compram capacidade para eles", disse ele, sugerindo que a aquisição de uma bomba nuclear pelo Irã poderia dar início a uma corrida armamentista no Oriente Médio.

"O lado negativo, potencialmente, é totalmente desastroso".

Mas Mullen não sugeriu que os EUA devam tomar ação militar para prevenir que o Irã adquira armas nucleares.

Ele ratificou a política da administração Obama de que grandes potências devem trabalhar juntas para persuadir o Irã a não obter uma bomba nuclear e suspender a proliferação de armas nucleares.

"Os principais líderes, internacionalmente, têm que se unir para deter este crescimento ou o lado negativo no longo prazo para as pessoas no mundo é realmente, realmente trágico e drástico", disse ele.

Israel e os EUA não descartaram a possibilidade de uma ação militar contra o Irã mas o governo Obama adotou uma política de negociar diplomaticamente com Teerã para resolver as diferenças.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG