Bagdá, 15 nov (EFE).- O Conselho Presidencial do Iraque analisou hoje as emendas apresentadas ao acordo de segurança negociado desde março com os Estados Unidos, e informou que está à espera de consultas futuras, informaram fontes oficiais.

Este conselho é integrado pelo presidente iraquiano, Jalal Talabani, e pelos vice-presidentes Tareq al-Hashemi (sunita) e Adil Abdel Mahdi (xiita).

Após a reunião de hoje, que terminou no início da tarde, houve a divulgação de um comunicado oficial no qual se deu conta de que o conselho estudou tanto as emendas apresentadas pelo Iraque ao pacto quanto as reformas adicionais dos EUA.

O comunicado reúne declarações de Abdel Mahdi nas quais garante que, na reunião de hoje, foi analisada a data da retirada das tropas americanas, levando em conta que a soberania e a independência do Iraque são a "principal prioridade".

Este convênio regulará o marco legal da atuação das tropas americanas no Iraque quando vencer, no final do ano, o mandato dado pelo Conselho de Segurança da ONU.

A minuta inicial aprovada por representantes das duas partes estabelecia a retirada total das tropas americanas do Iraque antes de 31 de dezembro de 2011, embora possibilitasse o adiamento do prazo, caso as duas partes estivessem de acordo.

No entanto, dirigentes políticos iraquianos foram contra esta salvaguarda e, segundo fontes oficiais, entre as reformas propostas, está o fato de que considere como definitiva a data para a retirada das tropas.

O comunicado oficial não ressalta quando o Conselho Presidencial voltará a se reunir, mas reúne declarações de Hashemi nas quais afirma que está à espera da "avaliação do primeiro-ministro Nouri al-Maliki sobre as emendas e a postura definitiva sobre o acordo de segurança".

O acordo precisa ser aprovado pelo Governo iraquiano e, depois, passar ao Parlamento, que tem a última palavra antes de o pacto entrar em vigor.

Fontes oficiais haviam dito que o acordo poderá estar pronto no Governo neste fim de semana, antes de ser enviado ao Parlamento. EFE am/fh/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.