Conselho iraniano oferece recontagem parcial de votos

Por Dominic Evans e Fredrik Dahl TEERÃ (Reuters) - O mais alto corpo legislativo do Irã afirmou neste sábado que está pronto para recontar um décimo dos votos da contestada eleição presidencial e um partido reformista cancelou uma série de protestos planejados para ao longo do dia.

Reuters |

NOTA DO EDITOR: a Reuters e outros veículos de comunicação estrangeiros estão sujeitos a restrições determinadas pelo governo do Irã na realização de reportagens, filmagens e fotos em Teerã.

A polícia alertou que lidará firmemente com qualquer manifestação nas ruas do país sobre a votação de 12 de junho.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse aos chefes dos manifestantes na sexta-feira que eles serão responsáveis por qualquer derramamento de sangue caso continuassem com os comícios contra o resultado da eleição, que segundo ele foi vencida de forma justa pelo atual presidente, Mahmoud Ahmadinejad.

O partido Etemad-e Melli, de um dos candidatos derrotados, Mehdi Karoubi, afirmou que os planos para um comício de protesto às 16h30 (horário de Brasília) no centro de Teerã foram descartados por falta de permissão.

"Por não obter autorização, o comício de hoje foi cancelado", disse um porta-voz do partido à Reuters.

O candidato derrotado Mirhossein Mousavi, cujos eleitores realizaram grandes protestos não autorizados em Teerã e outras localidades do país na semana passada, exigiu uma anulação completa dos votos.

Em seu ultimo comício em Teerã na quinta-feira, os eleitores de Mousavi levaram cartazes dizendo que se reuniriam novamente em dois dias. Mas um aliado de Mousavi afirmou que o político de tendência moderada não pediu que as pessoas se manifestassem no sábado ou domingo.

Mas seus eleitores podem aparecer de qualquer forma, como fizeram dezenas de milhares na quinta-feira, mesmo quando Mousavi pediu para que ficassem em casa. Os protestos foram os mais disseminados no Irã desde a revolução islâmica de 1979.

RECONTAGEM PARCIAL

O Conselho Guardião de 12 membros, que deve se certificar dos resultados da eleição, anunciou planos para uma recontagem parcial.

"Apesar do Conselho Guardião não ser legalmente obrigado...estamos prontos para recontar 10 por cento das urnas aleatoriamente escolhidas na presença de representantes dos três candidatos derrotados", afirmou um porta-voz do conselho.

O conselho convidou Lousavi, Karoubi e Mohsen Rezaie para apresentarem suas queixas em uma sessão especial. Mas somente Rezaie, ex comandante da Guarda Revolucionária, atendeu ao convite.

A mídia estatal publicou sete ou oito mortes em situação de insegurança desde que o resultado da eleição foi anunciado em 13 de junho.

Khamenei pediu calma em seu país, um grande exportador de petróleo envolvido em uma disputa com potenciais mundiais sobre seu programa nuclear, que o ocidente suspeita que possa ser usado para fabricar bombas. Teerã afirma que seu trabalho nuclear é pacífico para geração de energia.

O resultado da eleição mostrou que Mousavi obteve 34 por cento dos votos contra os quase 63 por cento de Ahmadinejad.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG