Conselho de Guardiães admite que houve irregularidades nas eleições do Irã

O Conselho de Guardiães do Irã admitiu nesta segunda-feira (hora local) que nas eleições do dia 12 de junho foram cometidas irregularidades nas votações, informa o site do canal estatal de televisão Press TV.

Redação com Agência EFE |

AP
Manifestantes e policiais durante protesto da oposição em Teerã
Manifestantes e policiais durante protesto da oposição em Teerã no sábado (20)

Segundo cita o canal, o órgão assegurou que em 50 cidades votaram mais eleitores do que os inscritos, o que implica em mais de 3 milhões de eleitores, reconheceu o porta-voz do Conselho, Abbas-Ali Kadkhodaei.

Esta afirmação se produz em resposta às queixas apresentadas perante o Conselho pelo candidato conservador, Mohsen Rezaei.

O citado Conselho, integrado por seis clérigos e seis juristas, é o organismo encarregado de validar os resultados eleitorais apresentados pelo Ministério do Interior para que sejam oficiais.

"As estatísticas proporcionadas por Rezaei nas quais ele reivindica que mais de 100% dos eleitores registrados emitiram seu voto em 170 cidades não são exatas, o incidente ocorreu em apenas 50 cidades", disse Kadkhodaei.

Em seus 30 anos de existência, o Conselho jamais tomou uma decisão de tal calibre como a anulação do pleito, exigida pela oposição.

Os resultados oficiais dão 62,6% dos votos ao atual presidente iraniano, o ultraconservador Mahmoud Ahmadinejad, e ao líder opositor reformista, Mir Hussein Mousavi, 33,75% dos votos.

Mousavi não aceita estes resultados que levaram ao país protestos diários e confrontos entre a oposição e as forças de segurança que já deixou um saldo de 20 pessoas mortas, segundo dados oficiais.

A situação se agravou neste sábado depois que pelo menos 13 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas por causa da repressão policial durante uma passeata de protesto da oposição na qual um número indeterminado de manifestantes foram detidos.

Tensão cresce com o Ocidente

O presidente Mahmud Ahmadinejad pediu a Estados Unidos e Grã-Bretanha o fim das interferências nos assuntos internos da República Islâmica. O chanceler iraniano, Manuchehr Mottaki, voltou a criticar Londres, acusando o governo britânico de "um complô contra a eleição presidencial há dois anos".

A Grã-Bretanha negou ter manipulado os manifestantes, mas mesmo assim o correspondente da BBC em Teerã, Jon Leyne, recebeu uma ordem das autoridades iranianas para abandonar o país em 24 horas , sob a alegação de ter "apoiado os agitadores".

Além disso, o ministério da Cultura iraniano ameaçou os meios de comunicação britânicos com " mais medidas severas ", caso "continuem interferindo nos assuntos internos" do país.

Protestos e mortes

A manhã de domingo foi tranquila nas ruas do centro de Teerã, diferentemente do que foi registrado no dia anterior, quando ocorreram violentos confrontos entre manifestantes e a polícia .

Vídeo é divulgado por manifestantes no YouTube:


Análises:

Leia também:

Leia mais sobre: Irã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG