Congresso dos EUA aprova novas sanções contra Irã

Novas punições têm como alvo companhias que negociam com governo iraniano; projeto de lei deve ser aprovado por presidente Obama

iG São Paulo |

Tendo como alvo o programa nuclear iraniano, o Congresso dos EUA aprovou nesta quinta-feira novas sanções contra companhias que negociam com o Irã. Companhias que fornecem material à Guarda Revolucionária iraniana ou contribuem para a indústria de energia do país são alvo do projeto de lei.

O objetivo das sanções é pressionar Teerã, que nega a suspeita da comunidade internacional de que seu programa atômico tenha o objetivo de desenvolver armas nucleares. Segundo o país persa, o programa tem apenas objetivos civis.

Depois da aprovação no Congresso, o projeto de lei será enviado ao presidente dos EUA, Barack Obama, para ser sancionado.

O Senado e a Câmara dos Representantes dos EUA agiram rapidamente nesta quinta-feira para alcançar um consenso sobre as novas punições. "Devemos impedir que o Irã desenvolva armas nucleares, que com certeza ameaçariam a segurança dos EUA e de Israel", disse o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid.

O senador republicano John McCain disse: "Apresentamos uma escolha às companhias em todo o mundo: Quer negociar com o Irã ou com os EUA? Não pensamos que isso seja realmente uma escolha, mas forçaremos as companhias a fazê-la. Elas não podem ter as duas coisas."

Em 9 de junho, o Conselho de Segurança da ONU votou para aprovar uma quarta rodada de sanções contra o Irã por falhar em suspender suas atividades de enriquecimento de urânio. Elas incluem restrições financeiras mais fortes e a ampliação de um embargo de armas, mas não sanções duras no nível que os EUA queriam.

Três rodadas anteriores de sanções bloquearam o comércio de "material nuclear sensível", congelaram os bens financeiros dos envolvidos nas atividades nucleares do país, baniram todas as exportações de armas do Irã e encorajaram a inspeção dos acordos dos bancos iranianos.

*Com BBC

    Leia tudo sobre: Armas nuclearesEUAIrãprograma nuclearsanções

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG