Tegucigalpa, 30 jul (EFE).- O Congresso de Honduras adiou para a segunda-feira sua resposta, esperada para hoje, sobre a anistia política incluída no plano do presidente da Costa Rica, Óscar Arias, para resolver o conflito interno no país após a deposição de Manuel Zelaya.

O presidente do Legislativo, Alfredo Saavedra, anunciou hoje que a próxima sessão acontecerá na segunda-feira, com o objetivo de realizar uma rodada de consultas com diferentes setores da sociedade civil e instituições.

"O importante é que todos os setores, como a Igreja Católica, a evangélica, o setor privado, as câmaras de comércio e a sociedade civil em todos os seus aspectos possam participar", disse Saavedra à imprensa.

Segundo o parlamentar, "isto é o que quer o presidente Arias, (...) uma manifestação que realmente seja fortalecida e respaldada pela maior parte do povo hondurenho".

"Este é um tema sensível, é um tema que não deve ser do interesse particular de um setor, deve ser realmente um tema que todos os hondurenhos devem estar informados e devem dar suas opiniões", acrescentou.

O Tribunal Superior Eleitoral de Honduras já se manifestou contra um dos pontos do plano, que propunha antecipar em um mês as eleições gerais convocadas para o dia 29 de novembro, enquanto a Procuradoria Geral se opõe sobre a anistia dos crimes políticos.

O objetivo do chamado Pacto de San José é o restabelecimento de Zelaya no poder, além da manutenção de um Governo de unidade e impõe certas condições para o presidente deposto, como desistir de convocar uma Assembleia Constituinte para reformar a Carta Magna.

EFE pa/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.