Congresso aprova referendo sobre reeleição de Uribe

O Congresso colombiano aprovou nesta terça-feira um projeto de lei sobre a convocação de um referendo que habilitaria o presidente Alvaro Uribe a aspirar a um terceiro mandato consecutivo, em 2010.

AFP |

A iniciativa foi aprovada no Senado por 62 votos contra 5, depois que os partidos de oposição, o Liberal (social-democrata) e o Polo Democrático Alternativo (PDA, esquerda) se retiraram do debate.

Após a votação desta terça-feira - última das quatro exigidas pela lei -, o projeto deverá passar por uma adaptação na Câmara de Representantes, que avalizou a convocação mas com um texto diferente, que só permitiria a Uribe apresentar-se em 2014.

A medida também deve ser analisada pela Corte Constitucional, onde se esperam denúncias sobre irregularidades no processo de tramitação.

Uribe, que aparece nas pesquisas com popularidade superior a 68%, ainda não revelou se concorrerá a um terceiro mandato.

A proposta visando à reeleição de Uribe recebeu cinco milhões de assinaturas para chegar ao Congresso, com o apoio essencial do governo, especialmente do ministro do Interior e Justiça, Fabio Valencia.

Para o senador Luis Carlos Avellaneda, porta-voz do PDA, a medida "está retalhando a Constituição e abrindo a porta a uma ditadura e a um governo plutocrático".

O congressista Edgar Artunduaga estimou que "o ideal seria a oposição ficar (no plenário) e derrotar a medida, mas o Partido Liberal considera que são muitos os atropelos, com um ministro negociando votos".

Uribe, que assumiu o poder em 2002, foi reeleito quatro anos depois, com mais de 60% dos votos, após uma polêmica reforma constitucional, que permitiu apenas uma reeleição.

O ministro da Defesa, Juan Manuel Santos, decidiu não aguardar o resultado do Congresso. Ele chegou a pedir demissão do cargo na segunda-feira, avisando que será candidato caso Uribe não possa concorrer a mais um mandato.

Santos, de 57 anos, foi artífice da operação 'Jaque' mediante a qual o Exército arrebatou em julho passado, das Farc, 15 de seus mais importantes reféns, entre eles a ex-candidata presidencial colombiano-francesa Ingrid Betancourt e três americanos.

Ele também esteve por trás da autorização de ataque a um acampamento no norte do Equador durante o qual morreu Raúl Reyes, número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), em março de 2008.

Uma pesquisa Gallup, divulgada há duas semanas, o aponta como o dirigente com maior possibilidade de suceder ao presidente Uribe.

Segundo o Gallup, Santos ganharia todos os demais candidatos exceto o matemático e dirigente independente Sergio Fajardo, ex-prefeito de Medellín (noroeste), com quem apresenta um empate técnico.

Herdeiro de uma família influente, proprietária da casa editorial El Tiempo, já havia sido, além disso, ministro da Fazenda, congressista e aspirante à candidatura presidencial, em 1994.

axm/sd/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG