Confrontos em Mianmar causam fuga de birmaneses ao sudoeste da China

Pequim, 28 ago (EFE).- Os confrontos em Mianmar causaram o êxodo de milhares de pessoas da etnia Kokang à província de Yunnan, sudoeste da China, informou hoje a agência oficial chinesa Xinhua, que traz declarações de um porta-voz do Escritório de Assuntos Exteriores dessa zona.

EFE |

"O número de pessoas que cruzam a fronteira está aumentando", disse o escritório em comunicado, que acrescentou que Yunnan definiu zonas de recepção e alojamento para cobrir as necessidades diárias das pessoas deslocadas.

Cerca de 14 mil civis birmaneses fugiram à Tailândia e à China devido ao aumento da pressão das tropas da Junta Militar de Mianmar sobre as minorias étnicas que controlam áreas das fronteiras do país, disseram em Bangcoc organizações de ajuda humanitária aos refugiados.

O jornal "Chongqing Evening News" informou que cerca de 10 mil pessoas deixaram Kokang entre 8 e 12 de agosto, a maioria deles comerciantes chineses e trabalhadores estrangeiros.

No nordeste de Mianmar, na fronteira com a China, e segundo testemunhas citadas pelo jornal tailandês "Irrawaddy", a situação é tensa desde que, há uma semana, o Exército enviou à região de Lao Kai uma missão avançada formada por 100 soldados.

"O choque indica que o Governo de Mianmar intensificou seus esforços para controlar o Exército Kokang, leal ao comandante Peng Jiasheng. Não há divisão entre o Exército Kokang e o Governo quer tirar vantagem disso", disse Song Qingrun, pesquisador de estudos do Sul da Ásia no Instituto Chinês de Relações Internacionais Contemporâneas.

"A principal prioridade do Governo é garantir uma eleição pacífica, especialmente em regiões como Kokang", explicou Song. EFE rat/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG