Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Condoleezza não consegue comprometimento de nações árabes para o Iraque

A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, não conseguiu, nesta segunda-feira, obter compromissos concretos por parte dos Estados árabes governados por dirigentes sunitas, a quem pedia apoio para o governo iraquiano de maioria xiita.

AFP |

Após um encontro em Manama com representantes de oito países árabes e do Iraque, Condoleezza explicou que as negociações haviam se concentrado no alívio da dívida iraquiana e da abertura de embaixadas árabes em Bagdá.

No entanto, a chefe da diplomacia americana anunciou progressos dentro desses dois temas, que Washington considera cruciais para a estabilização do Iraque.

Para o governo dos Estados Unidos, uma mobilização árabe mais forte a favor do Iraque, principalmente por parte da Arábia Saudita, serviria como um contrapeso eficaz contra a influência de Teerã, cada vez mais forte no país depois da queda do regime de Saddam Hussein em abril de 2003.

"Acredito que é um processo que vai avançar", declarou Condoleezza depois da reunião, realizada na capital do Barein, onde chegou no domingo após uma breve visita surpresa a Bagdá.

"Alguns países na mesa mencionaram seu desejo de ter representants permanentes no Iraque", afirmou.

"Os termos de um alívio da dívida iraquiana são conhecidos há bastante tempo. É uma questão apenas de conduzir as negociações com sabedoria", estimou a secretária.

Depois de Manama, Condoleezza segue para o Kuwait para participar de uma conferência na terça-feira, à qual comparecerão países vizinhos do Iraque e potências mundiais, além do presidente do Iraque, Nuri al Maliki.

Segundo Condoleezza Rice, os ministros árabes concordam com ela a respeito da necessidade de incluir o Iraque em seu fórum de debates, conhecido com o "Grupo 6+2+1", que já se reuniu quatro vezes desde janeiro de 2007 e do qual fazem parte os seis membros do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG - Arábia Saudita, Barein, Qatar, Omã, Kwait e Emirados Árabes Unidos), além de Egito, Jordânia e Estados Unidos.

"Os membros deste grupo pensam que o Iraque deveria participar regularmente nessas negociações. É um avanço muito bom para reincorporar o Iraque nos debates regionais", disse Condoleezza durante uma coletiva de imprensa conjunta com o ministro das Relações Exteriores do Bharein, xeque Khaled ben Ahmad Al Khalifa.

Al Khalifa afirmou que seu país se encontra "em processo de escolha de um embaixador" para ser mandado a Bagdá. O ministro, no entanto, não chegou a fixar um calendário para o envio do diplomata.

Desde a invasão americana ao Iraque, em 2003, que derrubou o regime sunita de Saddam Hussein, os vizinhos árabes do Iraque se declararam preocupados com a falta de segurança no país, questionando a conveniência de apoiar um governo dominado por xiitas.

O ministro barenita apontou ainda para o fato de que os diplomatas árabes têm muitas dúvidas acerca da "ambigüidade" da situação política no Iraque, embora tenham obtido "explicações muito boas" de Condoleezza e do chefe da diplomacia iraquiana, Hoshyar Zebari.

Zebari, por sua vez, classificou sua participação no encontro como "um salto qualitativo para o Iraque".

Os Estados Unidos estabeleceram a reconciliação entre as diferentes facções iraquianas como condição sine qua non para estabilizar a segurança nacional, que poderia acarretar numa redução do contingente militar americano antes de julho.

Condoleezza havia feito um apelo aos países árabes para que façam frente a "suas obrigações" com o Iraque, reabrindo suas embaixadas em Bagdá e perdoando parte da dívida iraquiana, a maior parte herdada do período de Saddam Hussein.

No domingo, o Kuwait anunciou sua decisão de enviar um embaixador a Bagdá, negando que a atitude seja uma resposta ao pedido americano.

A Liga Árabe também informou que nomearia um chefe para sua missão diplomática em Bagdá.

Segundo o Clube de Paris, a dívida iraquiana teria chegado a 120 bilhões de dólares no final de 2004. Segundo o departamento de Estado, essa cifra caiu para 66,5 bilhões de dólares nos últimos três anos.

lc-lg/ap

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG