Condenado por Lockerbie é libertado na Escócia

O único homem condenado pelo atentado de Lockerbie, em 1988, que matou 270 pessoas, foi libertado por razões humanitárias, de acordo com informações do governo da Escócia. O líbio Abdelbaset Ali al-Megrahi, de 57 anos, foi condenado à prisão perpétua em janeiro de 2001 por ter participado do ataque a bomba contra o voo 103 da Pan American World Airways, que explodiu quando sobrevoava a cidade escocesa de Lockerbie em 1988, matando 270 pessoas - 189 delas americanas.

BBC Brasil |

O secretário de Justiça escocês, Kenny MacAskill, revelou que al-Meghrahi, que tem câncer na próstata em estágio terminal, poderá voltar ao seu país "para morrer".

De acordo com informações apuradas pela BBC, ele será levado de volta a Trípoli, na Líbia, em um voo especialmente fretado que deve sair de Glasgow na tarde desta quinta-feira.

O governo escocês afirmou que fez consultas extensas antes de tomar a decisão. Kenny MacAskill disse em uma entrevista coletiva que rejeitou o plano de uma transferência de al-Megrahi para uma prisão na Líbia.

No entanto, MacAskill consultou médicos que afirmaram que três meses "era uma estimativa razoável" do tempo de vida que restava ao condenado.

MacAskill defendeu a libertação, decidida por razões humanitárias.

"O senhor al-Megrahi não mostrou às suas vítimas nenhuma compaixão. Eles não voltaram para suas famílias (...) Mas isto não é razão para que nós neguemos compaixão à ele e sua família em seus últimos dias de vida", afirmou.

Pressão
MacAskill tem sido pressionado pelo governo dos Estados Unidos para manter al-Megrahi preso e a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, já afirmou que sua libertação seria "absolutamente errada".

Sete senadores americanos também enviaram uma carta ao governo da Escócia pedindo que al-Megrahi cumprisse a pena completa de prisão e alegaram que o atentado foi um "ato horrível de terrorismo internacional".

No entanto o governo da Escócia insiste que a decisão foi tomada "tendo como base provas claras e nenhum outro fator".

O médico Karol Sikora, que visitou al-Megrahi na prisão, afirmou que o líbio tem uma forma "agressiva" de câncer de próstata que não está mais respondendo ao tratamento.

"Acreditamos que ele tem apenas um período muito curto de vida", afirmou.

A reação de alguns dos familiares das vítimas foi dividida. Victoria Cummock, que perdeu o marido no atentado, afirmou que a libertação de al-Megrahi é "moralmente errada".

"Este homem é um assassino em massa e, se você comete um crime, você tem que cumprir a pena", afirmou.

Martin Cadman, cujo filho morreu no atentado, afirmou recentemente que a libertação é "a coisa certa a ser feita".

Razões humanitárias
Al-Megrahi foi condenado a permanecer na prisão de Grenock por no mínimo 27 anos pelo atentado - considerado como um dos piores ataques contra o Reino Unido.

Os advogados de al-Megrahi já haviam feito um pedido de libertação por razões humanitárias em outubro de 2008.

Na ocasião, o pedido foi negado depois que os juizes ouviram de uma equipe médica que, com cuidados paliativos, al-Megrahi poderia viver por muitos anos.

O tribunal afirmou que pedidos dessa categoria são normalmente atendidos quando o detido tem uma previsão de sobrevida de menos de três meses.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG