Condenado à morte pede para não ser executado em Ohio por estar gordo

Washington, 5 ago (EFE) - Richard Cooey, de 41 anos, condenado à morte no estado de Ohio por violentar e assassinar duas jovens em 1986, pediu que sua execução seja suspensa pelo sofrimento que poderia ter devido a seu excesso de peso.

EFE |

Jim Gravelle, o porta-voz do promotor de Ohio, disse que o réu alegou "que está tão gordo que não é possível ver suas veias e seus advogados se questionam se a injeção letal será suficiente para executá-lo".

A defesa de Cooey, que pesa entre 121 e 125 quilos e mede 1,73 metros, apresentou na última sexta-feira seu caso perante um Tribunal Federal de Ohio com o argumento de que, por estar gordo, será difícil encontrar as veias para que seja aplicada nele a injeção letal.

A Constituição americana proíbe castigos cruéis, pelo que os advogados tentarão deter a execução demonstrando que, devido ao excesso de peso, o réu sofrerá mais.

Segundo o jornal "USA Today", os advogados também indicam que o condenado toma remédios contra dores de cabeça e convulsões que poderiam interferir com os produtos empregados para a execução, prevista para 14 de outubro.

A Corte Suprema americana paralisou durante oito meses todas as execuções perante uma denúncia de que a injeção letal violava a Constituição ao infligir uma dor cruel e desnecessária ao condenado.

Em abril, aprovou o reatamento das execuções. EFE elv/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG