Comunistas apóiam proposta para formar Governo de coalizão na Ucrânia

Kiev, 20 out (EFE).- O líder do Partido Comunista da Ucrânia, Pyotr Simonenko, defendeu hoje a proposta da primeira-ministra Yulia Timoshenko de formar um novo Governo de ampla coalizão para enfrentar a crise financeira.

EFE |

"Em meio à enorme crise financeira que atravessa o país devemos ter um programa de ações claro para superá-la", disse Simonenko em reunião com a chefe do Governo.

O dirigente comunista afirmou que seu partido apóia a formação de um Gabinete de Ministros no qual estejam representados os quatro grupos parlamentares.

Timoshenko, que se opôs à dissolução da Rada Suprema (Parlamento) pelo presidente da Ucrânia, Viktor Yushchenko, declarou que a formação de um Governo de coalizão é uma tarefa urgente e que as eleições legislativas antecipadas convocadas pelo chefe do Estado para o próximo dia 7 de dezembro podem esperar.

A proposta da primeira-ministra recebeu o apoio de um grupo de legisladores do bloco integrado por Nossa Ucrânia-Autodefesa Popular (NU-AP) e por sua própria legenda, a bancada de Yulia Timoshenko (BYuT).

O opositor Partido das Regiões, liderado pelo ex-primeiro-ministro Viktor Yanukovich, ressaltou hoje que a proposta de Timoshenko de criar uma nova coalizão e recompor o Gabinete é uma "tentativa de evitar a responsabilidade pela quebra da economia do país".

"Também não apresentou um plano ou programa de resgate da economia da Ucrânia. Seu único plano é que Yulia Timoshenko continue no poder", afirma uma declaração pública divulgada hoje pelo Partido das Regiões.

O chefe do Secretariado da Presidência da Ucrânia, Victor Baloga, declarou que a iniciativa de criar uma coalizão anticrise é uma manobra com a qual Timoshenko pretende garantir a chefia do Governo, segundo um comunicado de imprensa da Presidência. EFE bk/fh/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG