Computadores de Reyes revelaram valiosa informação sobre apoio às Farc

Bogotá, 26 fev (EFE).- A morte, há um ano, de Raúl Reyes, número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), evidenciou a ligação da guerrilha com vários Governos vizinhos e com colaboradores fora do país, graças à apreensão de computadores em seu acampamento no Equador.

EFE |

Apesar de somente uma pequena parte dos cerca de 20 mil arquivos e duas mil fotografias apreendidas pelos militares colombianos que mataram Luis Edgar Devia, nome verdadeiro de "Raúl Reyes", em 1º de março de 2008 no Equador, as descobertas deixaram claro que a rede de apoio às Farc se estende por pelo menos 28 países.

As revelações mais significativas indicam o respaldo à guerrilha no Equador, Venezuela e Nicarágua, sempre negado por seus respectivos Governos, que ainda puseram em dúvida a veracidade dos documentos.

Os e-mails encontrados nos computadores mostravam que as Farc tentavam, com ajuda externa, desprestigiar o Governo de Álvaro Uribe, além de tentar adquirir mísseis da Líbia e receber dinheiro e petróleo da Venezuela.

A relação da guerrilha no Brasil ficou evidenciada com o trabalho sistemático realizado pelo guerrilheiro "Cura Camilo" e a importância do território brasileiro para que as Farc traficassem cocaína e armas.

A revista colombiana "Semana", que teve acesso aos documentos encontrados nesses computadores, publicou que as Farc têm presença no Canadá, Espanha, República Dominicana, Cuba, El Salvador, Nicarágua, Panamá, Peru, Chile, Argentina.

A guerrilha também está presente no Uruguai, França, Reino Unido, Bélgica, Holanda, Itália, Dinamarca, Suécia, Noruega, Alemanha, Líbia, Turquia e Austrália. EFE ocm/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG