Computador pode substituir 2a análise de mamografia, diz estudo

Por Gene Emery BOSTON (Reuters) - Um programa de computador é capaz de ler mamografias quase tão bem quanto os olhos humanos, dispensando a segunda opinião de um profissional, segundo estudo publicado na quarta-feira.

Reuters |

Em pelo menos 12 países europeus, dois especialistas lêem cada mamografia, o que aumenta em até 14 por cento a chance de detecção de tumores. Substituir um deles por um computador reduziria custos.

Nos EUA, a norma é que só um profissional analise o exame, e cerca de 25 a 30 por cento dos casos já recorrem à ajuda de um computador, segundo a equipe de pesquisas liderada por Fiona Gilbert, da Universidade de Aberdeen (Escócia).

"Há muita polêmica sobre o valor agregado da detecção com ajuda do computador. Este estudo dá mais peso ao fato de que a detecção com ajuda do computador é uma ferramenta adicional viável", disse ela por telefone.

O grupo dela avaliou prontuários de mais de 31 mil mulheres britânicas. Em mamografias com duas avaliações, a taxa de detecção de tumores chegava a 88,7 por cento, um pouco superior aos 87,2 por cento quando a segunda leitura era por computador.

O único inconveniente é que, com a avaliação por computador, mais mulheres foram chamadas para um segundo exame (3,9 contra 3,4 por cento).

Em estudo publicado no site da revista New England Journal of Medicine, os pesquisadores dizem ainda que aparentemente não há diferenças nos atributos físicos dos tumores detectados pelas duas técnicas.

O estudo não avaliou o índice de acerto das novas mamografias digitais, que eliminam a necessidade de digitalizar o filme de raios-X para que o software possa procurar os tumores. Eles também evitam que a pessoa que lê o exame tenha de ficar correndo os olhos da chapa para a tela do computador.

Os pesquisadores não calcularam os custos que poderiam ser economizados com a dispensa de um profissional na leitura dos exames - disseram que isso "claramente requer investigação".

"Onde a leitura única é a prática-padrão, a detecção com ajuda do computador tem o potencial de melhorar as taxas de detecção do câncer aos níveis obtidos pela leitura dupla", escreveram os pesquisadores.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG