Compra da Bud pela InBev fere orgulho americano, diz imprensa

A oferta de compra da cervejaria Anheuser-Busch pela InBev, formalizada nos últimos dias, deve provocar uma reação nacionalista nos Estados Unidos, segundo diferentes artigos publicados pela imprensa internacional nesta sexta-feira. Em artigo intitulado Para alguns, não é só cerveja, o jornal International Herald Tribune afirma que a oferta não-solicitada deverá provocar um debate nos Estados Unidos, cheio de fervor patriótico sobre uma companhia entranhada na consciência americana.

BBC Brasil |

A aquisição transformaria a nova empresa na maior cervejaria do mundo, combinando marcas como a Budweiser, Stella Artois, Beck's, Bass e a brasileira Brahma. Mas a cervejaria americana, que há 148 anos é controlada pelas famílias Busch e Anheuser, já avisou que vai lutar contra a compra.

O principal problema seria o fato de a Anheuser-Busch se associar a símbolos americanos, sendo a maior anunciante do Super Bowl, o campeonato nacional de futebol americano, e tendo como público alvo o americano médio.

Diretoria brasileira
Nos Estados Unidos, o jornal Washington Post pergunta se o rei das cervejas (slogan da Budweiser) estaria "se curvando ao trono belga", em relação à Inbev, sediada na Bélgica.

"Eles podem comprar nossos títulos do tesouro. Eles podem reclamar a posse de nossos bancos e de nossos edifícios comerciais poderosos. Mas eles podem realmente tomar nossa Budweiser ou Michelob? Diz que não, Bud", diz o artigo no Washington Post assinado pelo jornalista Paul Farhi.

O jornal lembra o valor afetivo da Bud para os americanos, identificando-a como a primeira cerveja experimentada por um americano, e provavelmente a última.

"É a cerveja flutuando nos baldes de gelo nos churrascos do vizinho. É a que tomamos no bar, nas reuniões sindicais, nos jogos."
A revista britânica The Economist que chega às bancas nesta sexta-feira pergunta: "Poderia alguma coisa simbolizar a perda da supremacia econômica dos Estados Unidos mais claramente do que sua marca de cerveja favorita cair em mãos estrangeiras?".

A revista destaca que os rumores sobre a aquisição vêm circulando há algum tempo, inclusive provocando alta nas ações da cervejaria americana, e que o negócio é atraente para os dois lados.

"A família fundadora Busch hoje detém 4% da empresa, e há informações de que estaria dividida sobre a venda. A empresa Berkshire Hathaway, de Warren Buffet, que detém 5% da cervejaria, deve tomar a decisão baseada apenas no preço."
A revista também destaca que a aquisição deve aumentar o sentimento protecionista entre os americanos.

O jornal britânico Financial Times afirma que a diretoria brasileira da InBev deve assumir o controle da nova empresa, caso a fusão seja realizada. O FT destaca o papel do executivo Carlos Brito, da InBev, que dirige as operações da empresa nos Estados Unidos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG